Coimbra  5 de Dezembro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Rui Alírio

Web Summit – Oportunidade valiosa

26 de Novembro 2021

 

Mesmo que o espectro da pandemia continue a pairar nas nossas vidas, não é possível pararmos o comboio do desenvolvimento. Não devemos. Nem podemos…

A cimeira tecnológica mundial, Web Summit, que ficará em Portugal até pelo menos 2028, é demasiado importante para que não se prossiga o um trajecto normal de evolução com forte componente de transformação digital que se vive actualmente.

Falamos de mais de 40 mil pessoas oriundas de todo o mundo, que estiveram na FIL durante três dias e acompanharam um dos mais significativos e reputados eventos a nível mundial!

É muito relevante ter mais de 1.000 oradores, 1.250 startups, 1.500 jornalistas e mais de 700 investidores. Pode ser decisivo se for convenientemente aproveitado.

Convém lembrar, que captar investimento é um dos objectivos deste tipo de evento da área do empreendedorismo e da inovação e que o fim último é acrescentar valor no desenvolvimento de novos produtos e serviços. Portanto, criar emprego e riqueza!

Curiosamente, o Engenheiro Belmiro de Azevedo costumava dizer algo como “é preciso fazer muito para conseguir alguma coisa”, e isto tendo presente que um projecto empresarial nunca é certo, uma vez que há risco inerente ao investimento e obriga a vários tentativas.

Mas importa valorizar a Web Summit ao máximo e a sua existência, bem como, o que pode potencialmente acontecer. Até porque, quem pensa o conhecimento e o pretende aplicar, os chamados “Empreendedores”, não têm trabalho fácil.

E nesse particular, devemos admirar a sua coragem, a sua ousadia, resiliência e capacidade de tantas vezes perder tudo e começar de novo. Por isso tudo e pela inovação, pelo processo disruptivo necessário e muito pelo emprego criado para o país e para as regiões.

Quando falamos da Web Summit, referimo-nos a centenas de startups de todo o mundo, com o objectivo de impressionar investidores e potenciais parceiros, com a ambição de fazer novos contactos. Não falo de uma cimeira apenas das startups e dos pequenos que fazem. Falo também dos grandes. Dos grandes empresários e líderes políticos, que já tomaram consciência das tendências, sejam micro ou macro tendências. Em resumo, para onde aponta a bússola da economia digital no futuro…

Veja-se no caso particular de Coimbra e Região toda a importância dada à Web Summit, de várias formas e participações, e cuja presença de várias startups e demais empresas são indicadores que há sintonia com o progresso. Ainda bem!

Que isto seja também uma oportunidade para olhar para o futuro, onde estejam as Empresas, as Universidades, os Politécnicos, os Centros de Investigação e os Pólos de decisão política, todos em conjunto que permitam que haja um efectivo compromisso de cooperação, com a tech transfer em pano de fundo com o consequente desenvolvimento e riqueza.

Até porque, Portugal, durante largo tempo, foi secundarizado enquanto economia e penalizado pela sua periferia. Hoje, no mundo digital, tal situação já não se coloca, sob o ponto de vista da geografia, logo, esse ponto está ultrapassado e tudo é possível de acontecer em qualquer lugar e a qualquer hora.

E isto de juntar os que pensam com os que fazem acontecer, também apelidados de “Fazedores”, nem sempre é fácil, mas quando resulta, poderá efectivamente alavancar a economia e resultar num efeito dominó muito positivo. E Portugal, que não pode estar fora da evolução latente, nem está, tem de ajustar o mapa da gestão por forma a estar em sintonia e até superar um pouco o que se faz por todo o mundo em globalização!

(*) Vogal do Conselho de Administração iParque – Parque para a Inovação em Ciência, Tecnologia e Saúde, E.M., S.A.