Coimbra  21 de Outubro de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

João Pinho

Toponímia de Coimbra: O lugar de Coselhas

14 de Junho 2019

18 - João Pinho Coselhas

 

Coselhas é uma povoação localizada nos subúrbios da cidade de Coimbra e na zona nascente da antiga freguesia de Santa Cruz.

De origem muito remota, é abundante a documentação que a refere a partir do século X. O topónimo, de origem moçárabe, surge com formas diferenciadas; coselias, cuzelias, cosilias, caselhas e coselhas. As hipóteses etimológicas mais antigas, defendidas por A. Ferraz de Carvalho, aproximam estas formas dos diminutivos de cossa/cossia significando medidas de capacidade designando pensões ou foros – podendo também pensar-se em conchela, como diminutivo de concha, medida frumentária.

No entanto, mais recentemente, Maria de Azevedo inclina-se para nova hipótese:

fazendo derivar Coselhas de Caselhos e de Caselas (alótropo galego-português que ocorre nos arredores de Lisboa), diminutivos do latim casa “cabana; propriedade rural, pequena herdade”. Hipótese a considerar é ainda aquela que aproxima o topónimo Coselhas ao castelhano, uma vez que em Espanha ocorre o vocábulo Cosechas, que significa colheita, conjunto de frutos que se recolhem da terra como trigo, vinho, cevada e azeite.

Os vestígios mais antigos, acerca de um aglomerado populacional na área, vieram ao conhecimento público num artigo de Falcão Machado intitulado «A Necrópole de Coselhas». O documento mais antigo sobre Coselhas, datado de 967, refere «duas vineas in vale de coselias», o que vem ao encontro da maior parte dos documentos relativos ao Vale de Coselhas, onde são referidas vinhas, almuinhas e pomares.

Além do lugar propriamente dito, outras zonas em seu redor aparecem referenciadas em documentação muito antiga; a ponte e moinho de Coselhas.

Pelo exposto facilmente constatamos que Coselhas era uma área apetecível pela aptidão para a produção agrícola. Para tal muito contribuiu a existência da Ribeira de Coselhas, elo fundamental na cadeia que nos permite reconstruir a sua história. E foi justamente na ribeira que se estabeleceram nos sécs. XV e XVI várias azenhas e lagares.

(*) Historiador e investigador

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com