Coimbra  1 de Março de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

José de Paiva Netto

Todo o dia é Dia da Criança

1 de Junho 2017

Para a Legião da Boa Vontade todo o dia é Dia da Criança. Sabemos que assim também o é para as muitas instituições públicas e particulares que se devotam no cuidado para com a infância. Dessa forma, plantam no presente o futuro de Portugal. Estão, portanto, de parabéns!

Se tivermos juízo, maturidade e amor às crianças, seremos capazes de conciliar as mais díspares aspirações para formar uma só disposição que dê cumprimento à ordem máxima do Cristo Ecuménico, o Divino Estadista. Diz Jesus no Seu Evangelho, segundo João, 13:34 e 35 e 15:12 e 13: “Novo Mandamento vos dou: Amai-vos como Eu vos amei. Somente assim podereis ser reconhecidos como meus discípulos. (…) Ninguém tem maior Amor do que doar a própria Vida pelos seus amigos”.

Elas não são bobas

Bem a propósito a seguinte pergunta que me fizeram certa vez e à qual prontamente respondi:

Por que os programas da Super Rede Boa Vontade de Comunicação (Brasil), sendo de tão elevado nível espiritual, atraem tanto as crianças?

Justamente por isso: o elevado nível espiritual. Essa história de pensar que criança não entende das coisas é um grande disparate. Ela presta atenção a tudo. Mormente agora, nestes tempos modernos de revolução midiática. A criança sempre está ouvindo e participando, desde o primeiro vagido. Ainda no útero materno, regista som e luz. Eis por que nossa programação radiofónica, televisiva e de internet conta sempre com o prestígio dos Soldadinhos de Deus, como carinhosamente as chamamos aqui. Elas percebem a grandeza da mensagem universalista da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo.

Quem pensa que criança é boba é que é bobo. Parte dos adultos, porém, continua surda, insensível a ensinamentos que, de tão elevado teor espiritual, chegam naturalmente à sabedoria de uma criança…

Mas, graças a Jesus, persistem neste mundo aqueles que lhes dão o merecido cuidado.

O poeta fluminense Casimiro Cunha (1880-1914) – que era cego dos olhos físicos, mas que enxergava bem o que não pode deixar de ser visto -, na página “A Criança”, constante de Cartas do Evangelho, obra psicografada pelo saudoso médium brasileiro Chico Xavier (1910-2002), declama:

“O coração da criança/ É como um lírio de luz./ Cultiva essa flor sagrada/ Para o jardim de Jesus.

“No recomeço da vida,/ O amor pode trabalhar,/ Renovando os sentimentos/ No templo de luz do lar.

“Dispensa à infância o carinho/ Da tua compreensão,/ Conduzindo-a para o Cristo,/ Modelo do coração.

“Cessada a infância, que é dia/ De luz e espontaneidade,/ As almas voltam, de novo,/ Às lutas da humanidade.

“Educa os teus pequeninos./ Quem não aprende do amor/ Recebe a lição amarga/ Da experiência da dor”.

(*) Jornalista, radialista, escritor e presidente da Legião da Boa Vontade – www.lbv.pt [A pedido do autor, este texto é publicado segundo as regras do novo acordo ortográfico]