Coimbra  28 de Setembro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Luís Santos

Sem emenda

9 de Fevereiro 2017

Foi divulgado o índice da Associação Cívica Transparência e Integridade, que, anualmente, mede a disponibilização de informação de interesse público nos 308 municípios portugueses (76 indicadores agrupados em sete dimensões: Informação sobre a organização, composição social e funcionamento do Município; planos e relatórios; impostos, taxas, tarifas, preços e regulamentos; relação com a sociedade; contratação pública; transparência económico-financeira; transparência na área do urbanismo).

Alfândega da Fé renova a liderança como o município mais transparente do país, Carregal do Sal ocupa a segunda posição e Águeda está no terceiro lugar da lista. Arcos de Valdevez, Vila Nova de Cerveira, Pombal, Vila Pouca de Aguiar, Ponte da Barca, Valongo e Cartaxo encerram o top 10.

Leia-se, com atenção, a opinião da presidente da Câmara de Alfândega da Fé, Berta Nunes, a qual acredita que o serviço público será mais valorizado se for transparente: “Sem informação detalhada, sem que os nossos munícipes percebam bem e tenham acesso a toda a informação, eles nunca poderão fazer parte activa. Serão sempre muito menos participativos. Por isso, nós acreditamos na transparência, acreditamos que disponibilizar o máximo de informação é bom para nós, para a nossa oposição, para os nossos munícipes e para a democracia, em geral”.

Agora, indo, pela negativa, constata-se que alguns dos maiores concelhos não ficam bem na fotografia. Por exemplo, a Câmara Municipal de Coimbra está na 218.ª posição, com um índice de transparência de 39.97 (em 100), tendo descido 100 lugares. É caso para dizer: sem emenda.