Coimbra  20 de Novembro de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Vítor Parola

O “Devir”: Escola EB1 de Casconha – Cernache

10 de Setembro 2019

“NA NOSSA VIDA, O QUE PODEMOS DIZER QUE É PERMANENTE?”.

A frase de Heráclito de Éfeso, demonstra, no seu Saber Filosófico, que nada é permanente senão a própria mudança. De resto, no nosso dia-a-dia, frequentemente ouvimos o mesmo de forma mais resumida “Não há mal que sempre dure, nem bem que nunca acabe”.

Para este filósofo, tudo o que existe está em transformação. Ele é considerado o pai da dialéctica e chamou “Devir” à constante mudança do mundo, disse – “Nada é permanente, excepto a mudança”.

Esta introdução para tentar fazer compreender, apaziguar e serenar as almas de alguns cidadãos moradores na freguesia de Cernache, outros, nem por isso, mas igualmente respeitáveis, sobre a questão tão ultimamente debatida, relativamente à construção do futuro Centro Escolar da Freguesia de Cernache pela CMC, junto à EB da Lameira, na sede de freguesia, abandonando a inicial ideia de revalorização da “velhinha” EB1 de Casconha. Não podemos aqui esquecer, seria injusto, a muito lutadora e digna Associação de Pais e Encarregados de Educação dessa mesma escola.

Deixar claro, que a deliberação da CMC foi tomada por unanimidade (voto dos vereadores PS+PSD+Somos Coimbra+CDU).

Até podemos aceitar que, politicamente, o processo possa não ter sido conduzido da forma mais hábil, mas a verdade é que face aos novos dados que a CMC passou a ter, a decisão não podia ser outra. O futuro de Cernache a nível educativo (pré-escola e 1º ciclo) será francamente de enorme esperança.

Vantagens:

A EB de Cernache localiza-se numa zona estratégica em termos de acesso, relativamente aos restantes estabelecimentos, pelo que, é a localização mais adequada para a construção de um Centro Escolar (CE);

O novo CE vai possuir 6 salas para o 1º ciclo e 2 para o pré-escolar (nível de educação inexistente na freguesia de Cernache na rede publica);

O novo CE passa a proporcionar uma turma por ano de escolaridade, em detrimento das actuais turmas mistas em funcionamento na EB de Cernache e Feteira, com os constrangimentos pedagógicos que daí advém;

Por último, mas não menos importante, vai oferecer condições adequadas às faixas etária (1º CeB e PE), bem como ao funcionamento de uma escola a tempo inteiro, com refeitório, biblioteca e espaço de recreio.

De resto, pude apurar, é intenção da CMC iniciar a obra no terreno no decorrer do presente ano lectivo.

Porquê, só agora a decisão da CMC? Já que sempre falou na requalificação da EB1 de Casconha. Vou responder, fazendo desde já uma declaração de princípio: não fui nomeado defensor do Sr. Presidente da Câmara (ele não precisa), muito menos, do Executivo que tomou a decisão por unanimidade, e ainda posso acrescentar, como costumo afirmar entre amigos e camaradas – nada me move porque devo à política o emprego dos meus, ou o meu próprio emprego, bem pelo contrário, tudo foi conquistado com muito trabalho e prova, MAS DEVO, isso sim, à minha consciência cívica, se não contribuir para um melhor futuro da freguesia de Cernache e por isso aqui estou a dar a cara em nome desse futuro, quando podia ficar em silêncio como outros fazem.

Aqui chegados, vamos às respostas:

– Os estudos realizados confirmaram, que a recuperação de EB de Casconha (um velhinho edifício), custava ao erário público a módica quantia de mais de 1 milhão de euros;

– Apenas se mantinham as duas salas já existentes, acrescentando mais duas no local dos contentores, hipotecando o espaço de recreio (fundamental). Perdia-se um investimento para passar a ser somente um custo.

Com o investimento no CEC, com um custo previsível pouco acima deste investimento, passamos a ter 6 salas para o 1º ciclo (mais 2), acrescentamos duas salas para o pré-escolar, que não existia na rede publica da freguesia de Cernache (estes pais também têm o direito à escolha entre público e privado, como acontece nas freguesias vizinhas), fazendo cessar as actuais turmas mistas (alunos de vários anos à mistura) com os constrangimentos pedagógicos que daí advêm neste momento, permitindo no futuro, aos alunos, dispor da tal biblioteca, refeitório e espaço de recreio digno.

A concluir, e sempre na defesa dos interesse do concelho, no caso concreto, da freguesia de Cernache: A construção do novo centro escolar é uma opção de futuro, colectiva, a pensar na adequada resposta educativa, de qualidade, para as crianças. É a melhor solução, mais visionária, deixando de ser um custo para passar a ser um investimento.

Só agora foi possível a decisão da construção do CE, porque, só neste tempo, a CMC foi confrontada com o valor do orçamento e, tendo em conta o binómio CUSTO-BENEFÍCIO, face às limitações anteriores, naturalmente, virou-se para uma solução de melhor futuro.

Haverá sempre quem discorde e tenha na mão, pronta, uma pedra para arremesso, mas é a Democracia a funcionar, e isso, merece o nosso maior respeito, foi conquistada há 45 anos.

Revisitando Heráclito, podemos voltar ao “Devir” em que o mesmo afirma “Assim como uma esfera, que não se sabe onde começa e termina, os contrários ocupam o mesmo espaço numa perfeita harmonização, como é disso exemplo, o subir e descer um caminho”, nas suas palavras “ o caminho que desce e o caminho que sobe, são os mesmos”.

Façamos este caminho para a construção do futuro Centro Escolar da freguesia de Cernache, a bem das crianças e da melhoria do sistema educativo, de mãos dadas, mesmo que divergindo nas opiniões. Afinal, “em política, não devem existir inimigos, mas sim opositores/adversários com ideias diferentes que devemos respeitar, unindo-nos no que é essencial para o bem comum, o da Comunidade” – Fausto Correia.

“ Só não muda quem é burro” dizia Mário Soares, e a CMC mudou a tempo, felizmente!

(*) Deputado Municipal de Coimbra do PS

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com