Coimbra  3 de Dezembro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Mário Frota

Não ao “corte”(!), sim à limitação de potência…

18 de Novembro 2021

Segundo o quotidiano parisiense “Le Figaro”, entre 200 000 e 300 000 fogos sofrem, anualmente, com o ‘corte’ da energia eléctrica em razão do não pagamento, no tempo e no lugar próprios, das facturas regularmente emitidas.

Segundo o “Médiateur de l’ Énergie” (entidade equivalente ao Provedor da Justiça, em Portugal, só que especificamente para o Sector Energético), 5,6 milhões de lares, em França, engrossam a legião dos que figuram na pauta da precariedade energética.

20% dos franceses passam frio durante a invernia

De harmonia com o último Barométre Annuel, publicado o mês transacto, 20% dos franceses (a população francesa é da ordem dos 66 000 000 habitantes) teriam declarado passar frio em suas próprias casas no decurso do inverno, 36% dos quais por razões eminentemente financeiras.

O “Mediador da Energia”, em audiência perante a Assembleia Nacional francesa, a 10 de Novembro em curso, declarou convictamente que é favorável se dê expressão a um “direito a um abastecimento mínimo de electricidade” (“droit à une alimentation minimale en électricité”) para os lares.

De há muito que o vimos afirmando, na esteira, de resto, de Catherine Spaak, parlamentar belga, filha do secretário-geral da OTAN, Paul-Henri Spaak (1957/60), primeiro presidente do Parlamento Europeu (1952-54) e primeiro-ministro belga (1946 – 1947/49)] que entendia, nos anos 70 do século passado, que os cidadãos deveriam ter direito a um Minilec, mínimo de electricidade compaginável com os índices civilizacionais propiciado pelas sociedades pós-modernas.

Em França, o Código da Energia define a electricidade “como um produto de ‘primeira necessidade’”, o que o Mediador elementarmente recordou, ao declarar que “sem electricidade, não há luz, não há aquecimento, não há acesso nem à internet nem ao telefone”.

“As medidas tomadas pelo Governo para prevenir uma precarização energética das famílias – a atribuição de um cheque de energia suplementar de 100€ e o bloqueio das tarifas regulamentadas do gás e da electricidade para 2022 – são soluções de emergência e a curto prazo, mas que não resolvem a questão do acesso a um quantum mínimo de electricidade”, como o adverte o Mediador.

O antigo monopólio francês da electricidade – a EDF -, em vez de proceder ao “corte” da energia por incumprimento dos consumidores, entre o 1.º de Abril e 31 de Outubro, adopta conduta diferente: passa a aplicar uma redução da potência contratada.

A EDF, a principal empresa de distribuição de energia em França, anunciou a 12 de Novembro em curso, que deixaria de suspender o fornecimento de electricidade aos consumidores que se achassem em situação de incumprimento, não somente durante as tréguas invernais (do 1.º de Novembro a 31 de Março, como o impõe, por razões de humanidade, um decreto presidencial de antanho), mas durante todo o ano.

De há muito que uma tal medida fora reclamada pela Fondation Abbé Pierre ante a situação de penúria de muitas famílias e as privações de que padecem, com a agravante das deprimentes situações criadas pela pandemia da SARS Cov 2.

A partir do 1.º de Abril do próximo ano, a EDF procederá à diminuição da potência contratada a 1 KVQ, o que permitirá às famílias e aos cidadãos singulares ter acesso a coisas tão basilares como o funcionamento do frigorífico ou o recarregamento dos equipamentos eléctricos, para além da luz de iluminação.

Tal medida, anuncia a EDF, “aplicar-se-á a todas as situações, salvo se houver uma qualquer impossibilidade física ou técnica de limitação da potência de alimentação eléctrica da habitação”.

No comunicado emitido sexta-feira última, a EDF sublinha que privilegia, há já alguns anos, a limitação da potência ao corte da electricidade. A EDF tem uma massa de clientes que ultrapassa os 22, 3 milhões. Uma tal prática, assegura, permitiu reduzir em 1/3, em cinco anos, o número de “cortes”.

Exemplos destes não vemos, infelizmente, seguirem-se em Portugal.

Fundador da apDC –DIREITO DO CONSUMO – Coimbra