Coimbra  28 de Novembro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

João Pardal

Instrumentos tradicionais (II): Bandolim português

6 de Novembro 2020

Bandolim Tuna Souselense

Tuna Souselense em 1910, com bandolins

O bandolim é um instrumento musical da família dos cordofones, com encordoamento duplo, com quatro pares de cordas, afinadas do grave para o agudo em: Sol, Ré, Lá, Mi.

Este instrumento teve a sua origem em Itália, entre os séculos XVI e XVII, evoluindo do alaúde para o Mandolin (palavra que é o diminutivo de Mandola). Em Itália destacam-se dois modelos: o Napolitano e o Milanês.

Enquanto instrumento solista, o bandolim é usualmente tocado com uma palheta, na técnica de “ponteado”, em que o “trinado” (na linguagem popular) mostra a virtuosidade do músico. Desempenha a voz de soprano num conjunto de instrumentos que inclui também na mesma família a Bandoleta (alto), a Bandola (tenor), o Bandocello ou Bandoloncello (baixo) e, por fim, a Bandolineta (sopranino).

O bandolim em Portugal sofreu alterações na caixa harmónica, a qual ficou com formato de pêra e o fundo quase plano. Já no Brasil o bandolim possui a caixa acústica com o formato similar ao da guitarra portuguesa.

Bandolim

Em Portugal, o bandolim já estaria presente nos salões privados oitocentistas. Contudo, é nas tunas do início do século XX que atinge o seu período de ouro e a popularização do seu uso. De facto, as tunas a par com as filarmónicas foram responsáveis em Portugal, durante muitos anos, pelo ensino da música nas classes populares, em que muitos analfabetos conheciam uma escrita, a da música.

Este instrumento perde alguma influência durante o período do Estado Novo. Apesar disso, foi nas nossas aldeias que ele se manteve vivo a tocar nas festas, nas romarias, nas fogueiras, nos folguedos populares e nas arruadas do canto dos reis e das janeiras.

Na década de 80 do século passado, o Bandolim português volta a ganhar nova alma, muito pela responsabilidade dos Grupos Etnográficos, das Tunas Académicas e dos Grupos de Música Tradicional, que recuperam os seus sons, e particularmente pela mão dos excelentes construtores de instrumentos musicais de corda que retomaram as antigas técnicas construtivas. Hoje, felizmente, é ensinado nos conservatórios de música.

Em Souselas, na Escola de Música da Tuna Souselense, dirigida pela maestrina Patrícia Ferreira, o ensino do Bandolim português está assegurado, com vários alunos a complementarem os seus estudos em Conservatório de Música. Cabe a cada um de nós proteger esta jóia da nossa tradição musical, em especial da tradicional.

(*) Biólogo