Coimbra  20 de Outubro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Luís Santos

Indo eu, indo eu… a caminho

6 de Janeiro 2017

Sem a via dos “Duques”, a prometida auto-estrada que deveria ligar Coimbra a Viseu, o caminho faz-se através de um itinerário principal(mente) perigoso e a exigir redobrada atenção do condutor – o IP3.

Esta é uma viagem (des)escrita à cidade de Viriato, como é conhecida, porque está a dar nas vistas e já lançou uma provocação: «2017 é o ano oficial para visitar Viseu». Trata-se de uma proposta da Câmara Municipal, que visa reforçar a promoção enquanto destino turístico, estimulando cada viseense a ser um anfitrião, um embaixador na arte de cativar.

«O ano oficial para visitar Viseu» pretende “activar” o sentido de pertença, o orgulho local, a identidade cultural, aproveitando o crescimento da procura turística, num trabalho conjunto com a associação de marketing territorial “Viseu Marca”, que envolve várias entidades.

Isto surge depois de o Município de Viseu querer passar a integrar, também, a rede do Turismo do Porto e Norte de Portugal – o que já pôs os “cabelos em pé” no Turismo do Centro -, porque grande parte do crescimento tem-se verificado com os que vêm do aeroporto Francisco Sá Carneiro e da visita ao Douro vinhateiro.

Ainda para começar o ano, o Município de Viseu vai mudar de fornecedor de energia eléctrica (da EDP Comercial para a Galp Power), garantindo uma poupança anual de cerca de 320 000 euros, conforme destaca o presidente da Câmara, Almeida Henriques, ex-secretário de Estado e que liderou o Conselho Empresarial do Centro, com sede em Coimbra, assim como o anterior autarca visiense, Fernando Ruas, presidiu à ANMP, sediada também em Coimbra.

Curioso é apetecer cantar a conhecida e tradicional canção infantil: «Indo eu, indo eu, a caminho de Viseu, (…) encontrei o meu amor, ai Jesus que lá vou eu»…