Coimbra  20 de Setembro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

António Barreiros

Despeço-me, Madre Teresa

31 de Agosto 2021

Com a mágoa que me toca o coração, com a tristeza que me tinge a alma e com a infinita saudade da perda de uma amiga, despeço-me de ti, querida Madre Teresa.

A mulher que foi freira dos presos, em Macau; que, na mesma função, numa primeira fase, foi Directora do Curso de Secretariado em Coimbra, criado por Bissaya; e que, ainda, nessa missão ao serviço de uma congregação da Igreja Católica, se entregou, de noite e de dia, às crianças e aos jovens desvalidos, abandonados, maltratados e sem tecto familiar… aos desavindos, faleceu hoje, aos 92 anos, depois de um AVC.

Teresa Granado, que era filha de um médico da Beira Baixa, amigo de Bissaya, tinha um sorriso de criança e cândido. Tinha o dom de saber amar os mais precisados. Acolheu, entre bébés, crianças e jovens, centenas e centenas desses que procuravam um tecto e uma sopa. Mas, e mais do que isso, precisavam de um colo, de um braço para amparar e de um beijo para saborearem o amor que nunca se lhes abeirou.

Tenho muitas histórias com a Madre Teresa. Vou tentar, e por estes dias, partilhá-las para que não fiquem no baú das minhas memórias.

Agora, hoje, com o seu passamento, que me trás recordações de uma vivência que reparti com ela, com maior força, entre 1976 e 1998, quero deixar o meu testemunho em palavras simples:

inclino-me perante o teu corpo de mulher e de portuguesa ao serviço dos sem eira nem beira; presto-te uma homenagem sentida; curvo-me sobre as nossas memórias e quero agradecer-te – muito mesmo – o que me soubeste ensinar como servir, com humildade e entrega, os pobres e os desafortunados da vida.

Figura incontornável de Portugal, no domínio da solidariedade e do social infantil-jovem, de meados e finais do séc. XX e inícios do XXI, Madre Teresa deixa um bom pedaço da sua vida ligado a Coimbra, onde criou a Comunidade Juvenil de S. Francisco de Assis que estendeu a Olho Marinho/V. N. de Poiares.

Foi condecorado pelo Presidente da república Jorge Sampaio pela sua dedicação aos mais novos e jovens.

Que o nosso Deus a receba, em perdão e eterna bondade, na casa do Céu para que possa descansar de tanta fadiga, de algumas indecentes peripécias que viveu, de outras malvadezas que lhe foram provocadas e, ainda, de uma ou de outra luta que teve de travar com quem – gente que não sabe o que é entregar-se para amar os mais desfavorecidos de vida – lhe bateu com portas e a fustigou com palavras pouco dignas…

Descansa em Paz, minha querida amiga Madre Teresa.