Coimbra  27 de Maio de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Luís Santos

Ângulo Inverso: O mundo ficou com os olhos em bico

9 de Abril 2020

Coronavírus

Parece irónico, mas acaba por ser verdade. O mundo habituou-se a produzir mais barato, recorrendo a manufacturas da China, o país de onde foi originário o coronavírus que acabou por encerrar os países.

Com encerramentos de espaços aéreos, marítimos e terrestres, descobriu-se que cada país tinha recursos próprios, que podem e devem ser aproveitados. Voltou-se a fabricar e a recorrer ao que nem se pensava ter. Há um consumo mais sustentável.

Uma sociedade obcecada com o status, em mostrar o que tem e onde vai, ficou em casa em isolamento e descobriu o muito que se pode fazer sem estar permanentemente na rua.

Ficou mais patente as vantagens das novas tecnologias, com o comércio electrónico a fundir-se com as transmissões ao vivo e deverá ser a nova realidade das compras online: interactivas, experimentais e em tempo real.

Vamos aprender “às nossas custas”, mas seremos “pessoas diferentes”. Esta é a convicção de José Gomes Pereira, director de Medicina Desportiva do Comité Olímpico de Portugal, que acredita que há pelo menos uma mensagem que todos já retiveram com esta pandemia: “A Medicina é exercida por médicos, a enfermagem por enfermeiros e a saúde é de todos nós.” Por isso, “todos têm de ser agentes da sua promoção e conhecer os procedimentos que devem adoptar para melhorar a sua qualidade de vida”.

Conforme refere ao “Expresso”, é provável que o novo coronavírus “possa vir a ser um gatilho para as pessoas perceberem o quão vulneráveis são”. E essa vulnerabilidade será reduzida se diminuirmos os comportamentos de risco.

Será assim: Depois de alguma coisa que nos impressiona, ao ponto de nos deixar “com os olhos em bico” (estupefactos, estupidificados, assombrados, zonzos, surpreendidos, desorientados), vamos abrir as pestanas!

 

 

Powered by Digital RM

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com