Coimbra  24 de Agosto de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Declaração de 71 professores da FLUC

Alcoholocausto – memória e responsabilidade

7 de Maio 2019

Alcoholocausto Memoria e Responsabilidade_O Carro da Queima

 

A utilização da palavra “Alcoholocausto”, no cortejo da Queima das Fitas de 2019, pelo carro dos alunos fitados de História não veio a concretizar-se, após acordo com a Direcção da Faculdade de Letras. Aparentemente, no entanto, os/as responsáveis mantiveram-se convictos/as da justeza da sua opção inicial, uma vez que afixaram no carro alusões a uma “censura” e à existência de uma “polícia académica”, apresentando-se alguns/mas participantes com uma mordaça. Também o panfleto distribuído a lembrar o dia 27 de Janeiro como dia da memória do Holocausto faz alusão a um extermínio “com o intuito de desembaraçar a sociedade alemã e a Europa de inúmeras comunidades sociais”, formulação que ou revela profunda ignorância ou denuncia uma total indisponibilidade para referir com rigor os factos históricos.

Apesar da não afixação no carro do nome inicialmente escolhido, este caso não pode passar sob silêncio e, muito menos, pode ser encarado como um simples episódio sem relevância. Importa, assim, clarificar o seguinte:

“Holocausto” é uma palavra que remete, sem subterfúgios, para o maior crime contra a humanidade alguma vez cometido, o extermínio genocida de mais de seis milhões de judeus, ciganos e outros grupos pelo regime nacional-socialista. Este genocídio fez-se em nome de uma ideologia racista e foi planificado e organizado de forma minuciosa e eficiente por uma máquina implacável posta em movimento por toda a Europa sob o domínio nazi. Não pode nunca perder-se de vista que, por detrás da generalidade do conceito, estão homens, mulheres e crianças inocentes, vidas que, criminosamente, não puderam ser vividas. É a enormidade do crime e a lembrança concreta dessas vidas não vividas que nos impõe aquilo a que Primo Levi, sobrevivente de Auschwitz, chamou o dever da memória. Este dever é imprescritível, isto é, não caduca, por maior que vá sendo a distância temporal. No caso vertente, a incorporação do símbolo de um comboio no grafismo utilizado pelos fitados de História não deixa a mínima dúvida sobre a intencionalidade da alusão contida no nome do carro – os vagões de gado que atravessaram toda a Europa transportando, em condições infra-humanas, as vítimas destinadas ao extermínio são um dos símbolos mais poderosos do genocídio. Estamos, pois, perante uma violação grosseira do dever de memória e perante uma ofensa gravíssima à memória das vítimas.

Contrariamente ao que alegam os/as organizadores/as do carro, há limites para a liberdade de expressão, assim, como há limites para o uso da sátira e do humor. Limites que estão consignados na lei, mas que, antes de serem de ordem jurídica, radicam num conceito elementar de responsabilidade ética individual. O mais óbvio desses limites atinge-se quando estão a ser feridos direitos que pertencem legitimamente a outros. Nem tudo pode ser objecto de sátira: para além dos critérios óbvios do bom gosto, a sátira constitui um modo de discurso que carece sempre de uma legitimação ética. É lícito e desejável transformar uma pessoa ou uma instituição em objecto de riso quando se trata de defender valores substanciais através da denúncia de actos censuráveis praticados por essas pessoas ou instituições. Não é lícito fazê-lo quando a forma da crítica passa inteiramente ao lado do que se pretendia criticar e viola gratuitamente a dignidade humana. Neste caso, a dignidade humana de vítimas para sempre silenciadas. Quem assim procede torna-se, implicitamente, cúmplice dos crimes cometidos e não poderá, em nenhuma circunstância, furtar-se a esta responsabilidade. E muito menos poderá, quando confrontado com a indignidade da sua posição, arrogar-se a posição de vítima de um qualquer ato de “censura”.

A situação criada é ainda agravada pelo facto de, presentemente, circularem com insistência em todo o mundo teses negacionistas, rejeitando a própria existência histórica do Holocausto. É particularmente grave que sejam estudantes universitários de História a colaborar numa lógica de banalização que os aproxima, objectivamente, do negacionismo.

Os/as abaixo-assinados/as, docentes da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, sentem-se profundamente envergonhados e amargurados pela imagem que, com a sua ignominiosa escolha inicial, o grupo de promotores do carro “Alcoholocausto” projectou de si próprio, nos órgãos de comunicação e em outras redes em que defendeu o seu projecto, enquanto grupo de finalistas do curso de História, implicando, ao mesmo tempo, a Faculdade e a Universidade a que pertence. Mas, mais do que isso, entendem ser seu imperativo de consciência, em nome do princípio fundamental de humanidade imposto pela memória das vítimas, trazer a público uma firme posição de inteiro repúdio e total rejeição.

Coimbra, 7 de Maio de 2019

Adriana Bebiano

Ana Cristina Araújo

Ana Paula Arnaut

Anabela Fernandes

António Campar

António Manuel Rebelo

António Sousa Ribeiro

Carlos Ascenso André

Carlos Reis

Carmen Soares

Catarina Caldeira Martins

Clara Keating

Claudete Oliveira Moreira

Claudia Ascher

Conceição Carapinha

Cornelia Plag

Cristina Robalo Cordeiro

Diogo Ferrer

Domingos Jesus da Cruz

Fátima Velez de Castro

Fernando Matos de Oliveira

Frederico Lourenço

Graça Capinha

Inês Amaral

Isabel Paiva

Isabel Pereira

Isabel Santos

Jacinta Matos

Jens Liebich

Joana Antunes

João Domingues

João Figueiredo

João Gouveia Monteiro

João Maria André

João Muralha

João Nuno Corrêa-Cardoso

John Havelda

José Luís Brandão

Judite Carecho

Katharina Baab

Luca Antonio Dimuccio

Lúcio Cunha

M. Conceição Lopes

Manuel Portela

Margarida Miranda

Maria Beatriz Marques

Maria de Fátima Gil

Maria do Céu Fialho

Maria Isabel Caldeira

Maria João Silveirinha

Maria João Simões

Maria José Canelo

Maria Luísa Portocarrero

Marta Anacleto

Norberto Santos

Paula Barata Dias

Paula Santana

Paulo Nossa

Paulo Silva Pereira

Pires Laranjeira

Raquel Vilaça

Rita Marnoto

Rogério Paulo Madeira

Rosário Ferreira

Rosário Neto Mariano

Rui Bebiano

Rui Ferreira

Rui Manuel Afonso Mateus

Rui Pereira

Rute Soares

Sara Sousa

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com