Coimbra  20 de Abril de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Orlando Maçarico

A pobreza do primeiro-ministro

7 de Julho 2023

O amigo, pesaroso, lá foi dizendo que, se tivesse optado pela advocacia, seria um homem rico, mas preferiu ser um político pobre.

Que quis dizer Lacerda Machado?

Que conceitos de riqueza e pobreza estão subjacentes à afirmação de LM?

Estaria a pensar numa economia ética tendo como meta criar riqueza com equidade, erradicar pobreza e reduzir as desigualdades injustas, onde o seu amigo inserido poderia florescer?

Ou nesta nossa economia de expedientes e subserviência que mendiga subsídios e onde pululam uns espertos de má consciência, e onde o seu amigo poderia enriquecer?

Ou estaria Lacerda pensando, por acaso, numa sociedade epicurista, onde a verdadeira riqueza do seu amigo consistiria na pobreza capaz de prover à satisfação do que por lei da natureza necessitamos?

Uma coisa é certa: num país onde 1/5 da população está no limiar da pobreza, empurrar o primeiro-ministro para essa multidão de pobres é um acto de elevada solidariedade social a favor da igualdade em dignidade de todos os seres humanos.

Só foi pena o ar constrangido de Lacerda quando o disse?

Saberá Lacerda, com certeza, que a pobreza ocupa demasiado o pensamento: as pessoas ficam o tempo todo preocupadas com a forma com que vão pagar as contas, com o emprego, com a educação precária dos filhos e até como farão a próxima refeição, como alguém tão bem a retratou.

É esta a pobreza na mente de Lacerda?

Se sim, então, está claramente explicado onde o primeiro-ministro esgota o seu pensamento.