Coimbra  15 de Julho de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

António Carlos Albuquerque

A importância da liberdade e do 25 de Abril

26 de Abril 2024

Como português genuíno, nascido no interior de Portugal, numa zona que hoje vive momentos de grande afirmação a todos os níveis, mas que continua a caracterizar-se por ser uma cidade ambientalmente muito saudável e recomendável. Viseu foi sempre assim!

À clássica pergunta: onde estavas no 25 de Abril? Respondo invariavelmente que estava no paraíso. Com a idade que tinha, a consciência que me era transmitida, sobretudo pelas conversas dos meus pais e de algumas pessoas que na altura eram importantes na minha vida, passei muito do meu tempo ligado à televisão a preto e branco numa aparente tranquilidade, porque tudo se passava lá na longínqua metrópole e portanto não haveriam de existir grandes consequências numa terra onde poucas coisas chegavam no mesmo dia em que aconteciam.

Ao longo da minha vida, fui acreditando que aquele dia era muito importante mas também todos os outros em que os valores, os direitos e os deveres dos cidadãos eram defendidos com “unhas e dentes” por uma sociedade em mutação constante.

Não me esqueço dos longos dias em que assistia à chegada de inúmeros cidadãos vindos das ex-colónias a que “simpaticamente” chamávamos de “retornados”. Tenho alguns no meu grupo de amigos, com quem me habituei a ouvir e contar histórias de aquém e além-mar.

Num tempo em que questionamos todos os dias as liberdades e garantias das pessoas, tenho muita saudade da ingénua e genuína alma da Revolução dos Cravos. Dessa forma de intervenção, mas também e em pé de igualdade com outras datas marcantes antes e depois da revolução. Contrariamente a alguns movimentos políticos, não consigo segregar o dia 25 de Abril de 1974 de todos os outros factos realmente importantes na nossa afirmação como povo livre, com uma democracia participada e garantia de futuro por autodeterminação. Deve ser defeito de profissão.

 

Saibamos merecer o legado

 

Para mim, enquanto executante de políticas públicas e implementação de factores diferenciadores de qualidade de vida das populações, não faz sentido que a organização das ideias, das acções e da qualidade das propostas, não seja antecedida de um visão que conceba, planeie, projecte e aplique num cronograma temporal o que perspectivamos. Não acredito que o 25 de Abril não tenha sido bem planeado, concebido, implementado e monitorizadas as consequências deste dia magnífico na nossa história. É esta a razão principal de eu dar importância a todas as datas notáveis na afirmação da nossa democracia, da nossa liberdade!

Presto a minha sincera homenagem a todos os que se envolveram nestas lutas, principalmente a geração dos meus pais, que sendo os mais sacrificados, também eles tiveram o maior prazer de ver tudo bem feito e com as consequências de que nós hoje beneficiamos.

Saibamos nós merecer o legado deles e deixar o nosso país um bocadinho melhor do que eles nos transmitiram.

Como sabem, penso que muito do que podemos fazer, é contribuir decisivamente para um melhor e mais adequado desenvolvimento económico e social.

Vamos lutar todos os dias, em cada oportunidade para afirmarmos estes princípios e valores, na defesa de todos os que tiveram a coragem de empreender e consumar um dos dias mais importantes da nossa nação.

Viva o 25 de Abril, Viva Portugal!

(*) Doutorando e investigador