Coimbra  20 de Setembro de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Vila do Espinhal mantém viva a tradição em mais uma Feira do Mel

30 de Agosto 2019

Entre estradas de curva e contra-curva, próximo de Penela, encontra a vila do Espinhal, uma pequena localidade que continua a organizar uma das mais antigas festas do país: a Feira do Mel.

Esta é mesmo a primeira feira do género a aparecer no distrito de Coimbra, remontando a sua estreia ao ano de 1999.

Este ano a vila volta a acolher mais uma edição da Feira do Mel, entre hoje (30) e domingo (01 de Setembro), num ano especial em que comemora o seu 30.º aniversário.

A Junta de Freguesia do Espinhal e a Câmara Municipal de Penela continuam, ano após ano, a organizar uma feira que já faz parte das tradições daquela zona.

Este é um evento cujo principal objectivo “é a promoção e divulgação do Mel da região”, de uma zona na qual a actividade da apicultura continua a ter grande relevância na vida económica das famílias.

Poder dar a conhecer o que de melhor se produz é, sem sombra para dúvidas, uma mais valia para aquelas gentes que, apesar de na sua maioria terem a apicultura apenas como actividade complementar, ainda lhe atribuem grande importância.

“Há, ainda, muitas famílias a dedicarem-se à apicultura na nossa região. É um ‘part-time’, uma actividade paralela, que continua a ser uma mais valia para a economia familiar”, revelou Luís Dias, presidente da Junta de Freguesia do Espinhal.

E se este é um momento importante para quem mostra os seus produtos, é, também, um privilégio para quem visita poder degustar qualquer um daqueles produtos endógenos que por ali se encontram.

O néctar criado pelas abelhas é, pois está claro, o rei do certame estando em destaque, mas pelos expositores é possível encontrar outros produtos, na sua maioria produzidos a partir do próprio mel.

Assim, o público pode deliciar-se com alguns dos doces e compotas, ou com os licores e aguardentes produzidos na região. Sem esquecer o conhecido vinagre ou as velas feitas a partir da cera de abelha.

O que também não fica de lado é o famoso queijo do “Rabaçal” e o vinho “Terras Sicó”, que sendo produtos da região dividem as luzes da ribalta com o mel, numa feira que é sua, mas que não se importa de partilhar com o que de melhor há na zona. Esta é, aliás, uma maneira de enriquecer a feira.

Luís Dias salienta que este é um evento que aposta, sobretudo, na promoção dos “produtos endógenos e tradicionais do concelho”, admitindo que este não será “um grande ano de mel, em termos de quantidade”.  Pois para além do impacto dos incêndios, a região foi, também, “muito atacada no ano passado pela vespa asiática”, o que, segundo o autarca, “tem trazido grandes prejuízos aos apicultores”.

Esta é, no entanto, uma feira com 30 anos de história que a Junta de Freguesia e a Câmara não querem deixar “morrer”.

“É um ano de celebração para o Espinhal e para todo o concelho”, que nesta edição promete apresentar várias dezenas de expositores que vão dar a conhecer aos visitantes o que de melhor se produz na região.

 

Um programa fiel, mas inovador

 

O programa mantém-se fiel aos anos anteriores, conforme conta o presidente da Junta, que garante, no entanto, que de ano para ano a organização vai sempre apostando em “alguma inovação e novos atractivos” que fazem a feira crescer e apresentam às pessoas mais motivos para visitarem o certame.

O presidente frisa que vão ser “três dias de muita festa, onde não falta a gastronomia, a música, o artesanato e as tradições da região”.

Os “comes e bebes” são de facto um atractivo que, tendo em conta o sucesso do ano passado, voltam este ano a ter lugar de destaque no recinto com uma tasquinha que vai servir os pratos típicos da região. Esta será assegurada por uma associação que representa a Serra do Espinhal.

A animação também está garantida neste certame que tem previstos diversos eventos culturais e desportivos, com muita música e diversão, reunindo atracções para diferentes públicos, de todas as idades.

Durante os dois primeiros dias os visitantes poderão assistir ao “Seminário: Impacto das Políticas Públicas no Sector Agroflorestal no Pinhal Interior – após 2017”, podem apreciar a exposição de caricaturas de Pedro Ribeiro Ferreira e terão, ainda, actividades ao ar livre, concertos e bailes.

Já no domingo (01), o destaque vai inteiramente para a Feira do Mel propriamente dita, que começa bem cedo, logo pelas 08h00.

E porque comer bem é ótimo, mas complementar isso com uma vida activa é ainda melhor, pelas 09h00, decorre a caminhada “Rota do Mel”.

Neste dia decorrerá, ainda pela manhã (11h00), a recepção às entidades oficiais e a tão esperada prova do mel.

O habitual almoço do apicultor está marcado para as 13h00, seguindo-se o convívio com um concerto do Grupo Coral Carlota Taylor.

O Festival de Folclore volta a marcar presença na Feira do Mel, este que é um momento bastante aguardado pelos visitantes do certame.

A edição de mais uma Feira do Mel encerra com uma noite dedicada ao fado, num concerto que espera atrair muita gente ao local.

 

Bom aproveitamento escolar é reconhecido na Feira do Mel

 

Inovar é algo bom e que atrai novos públicos, mas manter a tradição, o habitual, é aquilo que faz as pessoas regressarem a um lugar, um evento, uma feira no ano seguinte.

É isso que acontece na Feira do Mel do Espinhal que, aliando de forma inteligente a modernidade com o que foi passando de geração em geração, cativa todos os anos muito público.

Assim, à semelhança dos anos anteriores, o programa da feira integra, a entrega dos prémios de mérito escolar “Professora Alice Gonçalves”, que se realiza já esta noite (30), pelas 21h00.

Este é um galardão que reconhece os melhores alunos, de todos os anos, desde o primeiro ciclo até ao ensino secundário.

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com