Coimbra  7 de Março de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Vacinação de dirigentes em IPSS de Penacova gerou sururu

27 de Janeiro 2021 Jornal Campeão: Vacinação de dirigentes em IPSS de Penacova gerou sururu

Em Penacova há um sururu porque no Centro de Bem Estar Social da Freguesia de Figueira de Lorvão foram vacinados elementos dos corpos sociais, mas o presidente da instituição refere que foram solicitados a fazê-lo.

A vacinação já realizada em algumas IPSS e em alguns bombeiros voluntários de Penacova abrangeu “as pessoas que frequentam” as instituições, incluindo “alguns dirigentes também”, disse à agência Lusa o coordenador do Centro de Saúde local, Francisco Araújo.

Contudo, meios socialistas fizeram sentir que em relação ao Centro de Bem Estar Social da Freguesia de Figueira de Lorvão foram quatro os membros dos corpos sociais vacinados, curiosamente todos elementos do PSD, incluindo um ex-presidente da Câmara, um ex-vereador, o líder da bancada social-democrata na Assembleia Municipal e uma mandatária autárquica.

Ao “Campeão”, Maurício Marques, presidente da Direcção daquela IPSS, diz que se trata de “baixa política”, porque depois de terem sido vacinados todos os utentes as autoridades de Saúde é que solicitaram a presença de dirigentes, à semelhança do que aconteceu em outras instituições.

“Respondemos porque fomos chamados e somos daqueles que gostam de cumprir as suas obrigações”, refere Maurício Marques, sublinhando que no Centro de Bem Estar Social “têm ido para além do exigido” e até ao momento não se registaram casos positivos de covid-19.

À agência Lusa, o coordenador do Centro de Saúde local, Francisco Araújo, explicou que numa IPSS do concelho atingida por um surto de covid-19 “houve várias pessoas que não puderam ser vacinadas”, nesta fase, por estarem infectadas pelo novo coronavírus”. Assim, “para não se perderem, as vacinas remanescentes foram utilizadas nas próprias instituições e nos bombeiros”, adiantou, explicando que foram igualmente vacinados dirigentes e outras pessoas que contactam regularmente com os serviços. Referiu, ainda, que, “se mais vacinas houvesse” também os militares da GNR de Penacova seriam abrangidos.

Entre as próprias Instituições Particulares de Solidariedade Sociais não é pacífica a vacinação dos dirigentes. Para Gil Tavares, presidente da UIPSS do distrito de Coimbra, “normalmente os dirigentes das IPSS são pessoas aposentadas e já com uma certa idade” e “se proibiram as visitas nos lares, as infecções só são possíveis através dos dirigentes, trabalhadores ou fornecedores”, ou de outras pessoas que acedam aos edifícios.

Contudo, de momento, “não estava prevista a vacinação dos dirigentes” dos lares de idosos e outras valências das IPSS, uma possibilidade que foi analisada numa reunião virtual dos líderes das UIPSS distritais, coordenada pelo presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS), o padre Lino Maia. No entanto, entende que devem ser vacinados, por esta ordem, primeiro os utentes idosos das IPSS, depois os seus trabalhadores e os chamados “dirigentes activos” em terceiro lugar.