Coimbra  24 de Novembro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Uzbequistão usa simulador de pacientes virtuais criado por empresa de Coimbra

9 de Novembro 2020 Jornal Campeão: Uzbequistão usa simulador de pacientes virtuais criado por empresa de Coimbra

A empresa Take The Wind, com sede em Coimbra, estabeleceu um acordo com o Governo da República do Uzbequistão para utilização de um simulador de pacientes virtuais nas instituições de ensino superior daquele país.

Segundo a empresa, esta assinou um memorando de entendimento com o Ministério da Saúde e o Ministério da Inovação e Desenvolvimento da República do Uzbequistão sobre a utilização do simulador de pacientes virtuais Body Interact “em todas as instituições de ensino superior do país”.

O Body Interact é um simulador de pacientes virtuais que através de casos clínicos construídos sob um algoritmo fisiológico permite aos actuais e futuros profissionais de saúde o treino do pensamento crítico e da tomada de decisão.

“Com casos clínicos desenvolvidos para a área de enfermagem, medicina, socorristas e cuidadores informais, o Body Interact apresenta-se como uma solução de ensino à distância tanto para modo colectivo como individual”, disse a empresa.

De acordo com a Take The Wind, a pandemia do coronavírus “mudou a forma como a educação é ministrada em todo o mundo” e “milhões de estudantes continuam a estudar sem irem às suas instituições”.

A partir de agora, “também os estudantes do Uzbequistão podem treinar com pacientes virtuais no ambiente seguro das suas casas”, sublinhou.

Pedro Pinto, director executivo da empresa, considera que o acordo estabelecido com o Governo do Uzbequistão reforça “a importância da integração dos pacientes virtuais nos currículos das universidades”.

“Com a possibilidade de dar continuidade às práticas clínicas de forma segura e controlada, o Body Interact torna-se uma ferramenta essencial tanto para os professores como para os alunos”, concluiu.

Devido à actual situação epidemiológica, foram introduzidas novas soluções inovadoras no campo da educação.

A aprendizagem à distância “tornou-se a rotina diária de milhões de estudantes e o simulador de pacientes virtuais desenvolvido pela empresa portuguesa foi introduzido em todo o mundo como a solução para a educação clínica”, afirmou a empresa.

Fortalecer a autoconfiança dos estudantes, promover o sentido de responsabilidade, capacitar a tomada de decisão, desenvolver a capacidade de integração de dados de diagnóstico e a adequação do tratamento, foram os principais benefícios destacados pelo Governo do Uzbequistão para fornecer o ‘software’ às universidades de medicina do país.

A Take The Wind S.A. tem a missão de capacitar os profissionais de saúde, actuais e futuros, a fim de reduzir o impacto dos erros clínicos. A empresa opera em cerca de 45 países e tem como clientes Sociedades Científicas, Hospitais Universitários, Escolas de Medicina e de Enfermagem e Certificadores de Educação Médica continuada.