Coimbra  25 de Maio de 2022 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Universidade de Coimbra reforça preocupação com saúde mental dos estudantes

24 de Março 2022 Jornal Campeão: Universidade de Coimbra reforça preocupação com saúde mental dos estudantes

A Universidade de Coimbra (UC) assinou um protocolo de cooperação na área da saúde mental com o objectivo de contribuir, ainda mais, para o bem-estar dos estudantes.

Esta iniciativa tem o envolvimento da Associação Académica de Coimbra (AAC) e da Administração Regional de Saúde do Centro (ARS Centro).

“A Universidade de Coimbra tem, inevitavelmente, de ser promotora do bem-estar dos seus estudantes, para que a sua missão seja realmente cumprida ou cumprida o melhor possível. É incontornável não colocar aqui a preocupação com a saúde mental”, disse hoje, no dia em que se comemora o Dia Nacional do Estudante, aquando da assinatura do acordo, o vice-reitor da UC para o Desporto, Qualidade e Serviço de Acção Social, António Figueiredo.

Estas três entidades vão também fazer um estudo no âmbito da saúde mental.

“O nosso papel será de divulgação, para se conseguir chegar à comunidade que nós representamos, os cerca de 25 mil estudantes e os demais associados, para conseguirmos ter uma imagem da saúde mental na comunidade académica”, disse o vice-presidente da direcção-geral da AAC, Daniel Aragão.

Este acordo “tem como finalidade a implementação colaborativa de acções, no âmbito da promoção da saúde mental e da investigação nesta área”, disse a presidente da ARS Centro, Rosa Reis Marques.

O protocolo inclui, “não só a promoção do bem-estar no seio da comunidade estudantil, mas também um desenho e implementação de estratégias de apoio, especificamente dirigidas a estudantes em situação de stress psicossocial”, sublinhou.

Cabe à ARS Centro disponibilizar apoio técnico e científico nas iniciativas protocoladas e ainda promover a sua divulgação.

O vice-Reitor da UC para o Desporto, Qualidade e Serviço de Acção Social, António Figueiredo, acrescentou ainda que factores como a pandemia provocada pela covid-19, a guerra na Ucrânia, assim como o falecimento do presidente da AAC, Cesário Silva, são situações que “acabam por fundamentar” esta “preocupação” ao nível da saúde mental.