Coimbra  21 de Janeiro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Universidade de Coimbra manifesta pesar pelo falecimento de Eduardo Lourenço

2 de Dezembro 2020 Jornal Campeão: Universidade de Coimbra manifesta pesar pelo falecimento de Eduardo Lourenço

A Universidade de Coimbra (UC) manifestou “profundo pesar” pelo desaparecimento de Eduardo Lourenço. “Mais do que uma perda para a Universidade ou para a Academia, é uma perda para Portugal e para a Humanidade”, disse Amílcar Falcão, reitor da UC.

O ensaísta, professor universitário, filósofo e escritor foi estudante de Ciências Histórico-Filosóficas na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC) onde começou a sua carreira académica, como professor assistente.

“Uma voz única do pensamento português, pensador livre e cultor de excelência da língua portuguesa que, certamente, vai continuar a ouvir-se através da vastíssima obra que nos deixa”, acredita o reitor da UC.

Eduardo Lourenço nasceu em 1923, em S. Pedro do Rio Seco, concelho de Almeida, no distrito da Guarda. Formado em Ciências Histórico-filosóficas pela FLUC, onde foi professor entre 1947 e 1953 e que lhe conferiu o grau de Doutor Honoris Causa. Foi jubilado pela Universidade de Nice, em França, tendo leccionado em outras universidades, como a da Baía (Brasil), Heidelberg (Alemanha) ou Montpellier e Grenoble (França). Agraciado ao longo da sua vasta carreira com diversos prémios e distinções, nacionais e internacionais, com destaque para os Prémio Camões (1996) e Prémio Pessoa (2011), Eduardo Lourenço era ainda Conselheiro de Estado.

No Centro de Estudos Ibéricos, criado em 1999 e que une as Universidades de Coimbra e Salamanca – as duas mais antigas universidades da Península Ibérica –, Eduardo Lourenço assumiu o papel de Director Honorífico, dando também nome ao Prémio que, desde 2004, distingue “personalidades ou instituições de língua portuguesa ou espanhola que tenham sido protagonistas de uma intervenção relevante e inovadora no âmbito da cooperação e no domínio das identidades, das culturas e das comunidades ibéricas”.

Em 2011, o filósofo doou parte do seu espólio bibliográfico, relacionado com Filosofia e História das Ideias e da Cultura à FLUC.