Coimbra  14 de Junho de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Universidade de Coimbra lidera investigação no diagnóstico da infertilidade masculina

16 de Novembro 2023 Jornal Campeão: Universidade de Coimbra lidera investigação no diagnóstico da infertilidade masculina

Uma equipa de investigação multidisciplinar, liderada pela Universidade de Coimbra (UC), realizou um estudo para aprofundar o conhecimento sobre a infertilidade masculina de origem desconhecida. A pesquisa, que envolveu mais de 1.400 pacientes, conseguiu esclarecer detalhes moleculares e metabólicos associados a este tipo de infertilidade, fornecendo informações valiosas para diagnósticos mais precisos e eficácia nos tratamentos.

A infertilidade masculina de origem desconhecida representa um desafio significativo na área da saúde reprodutiva, afectando cerca de 30% dos casos em Portugal, onde estima-se que 300 mil casais enfrentem a realidade da infertilidade. Este estudo, publicado na revista Biomolecules sob o título “New Insights on Sperm Function in Male Infertility of Unknown Origin: A Multimodal Approach,” revelou aspectos funcionais dos espermatozóides que não são rotineiramente avaliados.

Sandra Amaral, investigadora do Grupo de Investigação em Biologia da Reprodução e Células Estaminais do Centro de Neurociências e Biologia Celular da UC, destaca a importância desta pesquisa, afirmando que os novos aspectos funcionais identificados podem conduzir a uma melhoria nos métodos de diagnóstico e tratamentos futuros para a infertilidade masculina.

O estudo abordou a integridade do ADN dos espermatozóides, o processo de capacitação e a função mitocondrial, bem como identificou seis proteínas diferencialmente expressas em indivíduos diagnosticados com infertilidade. A compreensão desses aspectos pode contribuir para a identificação de factores causadores da infertilidade masculina de origem desconhecida, abrindo caminho para avanços significativos no campo da medicina reprodutiva.

A investigação, financiada pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, envolveu três faculdades da UC e colaboração estreita com o Serviço de Medicina Reprodutiva do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra. Rita Ivo Pacheco e Maria Inês Cristo lideraram o estudo, cujos resultados foram publicados em https://doi.org/10.3390/biom13101462.