Coimbra  2 de Dezembro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

UF de Coimbra reclama que a Câmara pague os apoios sociais atribuídos

26 de Agosto 2020 Jornal Campeão: UF de Coimbra reclama que a Câmara pague os apoios sociais atribuídos

“Basta de propaganda política!” – apela João Francisco Campos, presidente da União de Freguesias de Coimbra, reclamando que a Câmara Municipal se deixe de burocracias e transfira os montantes aprovados para os apoios sociais.

“No final de Abril a União das Freguesias de Coimbra solicitou o reforço, urgente, do Fundo Municipal de Emergência Social. Com a crise que a pandemia gerou e todos os problemas sociais que esta freguesia tem – bem conhecidos de todos – os 13 000 euros que nos couberam (aumento de quatro por cento face a 2019) não duraram 15 dias em face ao avolumar de pedidos, quer à nossa Assistente Social que às Instituições de apoio social que fazem um trabalho extraordinário no apoio aos que mais precisam” – conta o autarca.

Segundo João Francisco Campos, “de lá para cá têm visto notícias a sair na comunicação social, em grande parangonas, sobre o reforço do FMES em 158 000 euros, a última das quais há duas semanas”, mas até agora o dinheiro ainda não foi transferido.

“Já algum jornalista perguntou à Câmara quando é que passa da propaganda ao efectivo apoio?” – questiona o presidente da UF de Coimbra, para contar que, há 15 dias, o Município “chamou as instituições que tutelam o dinheiro que vem para as Comissões Sociais de Freguesias para assinar um protocolo (pela primeira vez foi feito este espectáculo e ninguém o questionou)”.

Só que, refere, “hoje solicitam às instituições as certidões, actualizadas, de não dívida (Autoridade Tributária e Segurança Social), duas semanas depois lembraram-se que faltavam documentos e o apoio teima em não chegar a quem dele precisa, mais de quatro meses depois”.

“Esta pandemia deixou muita gente sem emprego e sem meios para sobreviver ao dia-a-dia, pessoas que merecem respeito e dignidade, não que andem a usar o sofrimento delas para benefício político. Basta! – desabava João Francisco Campos

Anunciados apoios

Recorde-se que, a 10 de Agosto, Manuel Machado, presidente da Câmara Municipal de Coimbra formalizou, a assinatura dos protocolos do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) para este ano.

Em Março, o Município tinha já antecipado 158 000 euros, numa única tranche, para permitir o apoio imediato às populações em situação de maior vulnerabilidade social. Com este reforço, em outros tantos 158 000 euros, a Câmara de Coimbra disponibiliza, este ano, o total de 316 000 euros ao FMES.

Agora, em Agosto, Manuel Machado começou por referir que a probabilidade de ocorrer uma segunda vaga de covid-19 é elevada, assegurando que “os serviços municipais estão prevenidos e preparados para encontrar soluções para o que possa vir a ocorrer”.

“Depositamos uma enorme confiança no caminho escolhido para fazermos face ao problema (…) em proximidade com as instituições”, afirmou o autarca. “Nós cá estaremos para encarar o problema com perseverança e esperança”, para que “os nossos cidadãos não se sintam em situação alguma sozinhos”, concluiu Manuel Machado.

Conforme tem referido a Câmara, “a política social do Município de Coimbra assenta, em grande medida, na intervenção das CSF, por serem estas as estruturas de proximidade que melhor identificam e conhecem pessoas em situação de maior carência e vulnerabilidade. Razão que justifica a criação, em 2015, de um FMES na área territorial de todas as freguesias e uniões de freguesia do concelho, que tem vindo a revelar-se um poderoso instrumento activo no combate à pobreza e à exclusão social”.