Coimbra  10 de Dezembro de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

UC recebe 2,3 milhões para inovação no sector agroalimentar na região

25 de Novembro 2019

Um consórcio liderado pela Universidade de Coimbra (UC) recebe 2,3 milhões de euros para desenvolver e inovar o sector agroalimentar na região Centro.

O objectivo é “responder aos desafios que as fileiras do sector agroalimentar da região Centro enfrentam, através de uma estratégia de desenvolvimento territorial alicerçada na caracterização, conservação e valorização dos recursos genéticos endógenos, é o grande objectivo da rede de competências ‘Cultivar‘, que obteve financiamento de 2,3 milhões de euros do Programa Operacional Centro 2020”.

O projecto é liderado pela UC e tem como parceiros o Instituto Pedro Nunes (IPN), o Centro de Apoio Tecnológico Agroalimentar (CATAA) e o Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB).

A rede de competências “Cultivar” será apresentada na próxima quarta-feira (27), pelas 15h30, no Centro de Empresas Inovadoras de Castelo Branco (CEi), no âmbito do congresso “Inovaction”, e contará com a participação da ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, e com representantes de todas as instituições que compõem o consórcio.

Para Helena Freitas, coordenadora do Centro de Ecologia Funcional (CFE) e líder do projecto, “a degradação ambiental, a pressão sobre os recursos naturais e as alterações climáticas confrontam as sociedades com inúmeros desafios, os quais requerem conhecimento, criatividade e inovação, sendo ainda necessária uma profunda mudança social. Assim, é fundamental adoptarmos uma abordagem sistémica na investigação e na intervenção do território, promovendo o desenvolvimento de metodologias e soluções inovadoras, economicamente viáveis, focadas na segurança alimentar e numa produção ambiental e socialmente sustentável com uma base integradora do funcionamento dos agro-ecossistemas e que contemple todas as suas dimensões”.

A professora catedrática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) reforça que, “em virtude das condições inerentes à matriz territorial da região Centro, e da sua elevada vulnerabilidade face aos diversos cenários de alterações climáticas, há necessidade de abordar o território de forma disruptiva e diferenciadora”.

“Em resultado de sinergias criadas anteriormente foi possível criar um consórcio regional de instituições de IC&DT relevantes no sector agroalimentar, e que possuem todas as condições físicas e competências técnicas para desenvolver projectos de investigação disruptiva e consequente transferência da inovação para o mercado”, sublinha ainda Helena Freitas.

Por sua vez, Joana Costa, investigadora do CFE e directora executiva do projecto, nota que “o projecto está assente numa visão holística que integra as dimensões ambientais, sociais e económicas com o objectivo de valorizar os recursos genéticos endógenos da região Centro e os processos que os suportam, de modo a alavancar de forma sustentável o sector agroalimentar”.

“O projecto pretende valorizar e dotar os polos de competência existentes na região Centro de conhecimentos em áreas estratégicas, com consequente fixação de recursos humanos altamente especializados, ao mesmo tempo que promove e consolida a colaboração entre instituições de ciência, tecnologia e ensino superior e o ‘cluster’ agroalimentar, numa perspectiva assente na inter e transdisciplinaridade do conhecimento e da inovação”, conclui a também docente convidada da FCTUC.

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com