Coimbra  26 de Janeiro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

UC pretende envolver homens em práticas de cuidado na primeira infância

3 de Dezembro 2020 Jornal Campeão: UC pretende envolver homens em práticas de cuidado na primeira infância

O Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra (UC), através de uma parceria com a International Step by Step Association (ISSA), iniciou um novo projecto de promoção de práticas equitativas e cuidadoras na primeira infância, que decorrerá ao longo do próximo ano.

Financiado pela OAK Foundation, o projecto “Engaging Men in Nurturing Care” (EMiNC) pretende ampliar o campo de investigação e intervenção sobre masculinidades cuidadoras através da promoção de normas positivas de género na primeira infância, tendo Portugal como primeira fase piloto do projecto.

Segundo Tatiana Moura, coordenadora da acção e investigadora do CES/UC, “este projecto pretende construir uma abordagem multissectorial e mais abrangente de metodologias transformadoras de normas de género, através do envolvimento de profissionais da educação e das famílias na promoção de práticas educativas e cuidadoras livres de estereótipos de género. Depois de desenvolver e testar em Portugal metodologias dirigidas à primeira infância”, em articulação com os sectores de saúde e educação no âmbito do projecto PARENT – Promoção, Sensibilização e Envolvimento de Homens nas Transformações do Cuidado (que visa promover, sensibilizar e envolver homens na paternidade e no cuidado), coordenado pelo CES e financiado pela Comissão Europeia, “o objectivo é o de ampliar esta abordagem a outros países europeus”.

Entre as catividades do projecto destacam-se o levantamento de boas práticas a nível nacional  e internacional, o desenvolvimento de ferramentas pedagógicas e realização de cursos virtuais para estudantes e profissionais que se dediquem ao desenvolvimento na primeira pretendendo deste modo contribuir para o reforço de investigações, metodologias e políticas já existentes no nosso país, particularmente no que diz respeito à construção de masculinidades não violentas, cuidadoras e equitativas.  Com um orçamento global de 220 000 euros, caberá ao CES gerir uma verba de cerca de 85 000.