Coimbra  26 de Setembro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

UC: Nova câmara vai desinfestar livros da Biblioteca Joanina

18 de Janeiro 2017 Jornal Campeão: UC: Nova câmara vai desinfestar livros da Biblioteca Joanina

Encontra-se já instalada e pronta a funcionar, no piso térreo da Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra (UC), uma câmara de anoxia de seis metros cúbicos de capacidade, segundo anunciou, hoje, a instituição.

O equipamento acaba de ser adquirido pela Universidade por cerca de 70 000 euros e servirá essencialmente para a desinfestação do precioso acervo bibliográfico que se conserva no edifício.

Entre muitas outras vantagens, a entrada em funcionamento destes dispositivos permite evitar o recurso a métodos químicos de expurgo, muito utilizados no passado.

Nos três pisos da Biblioteca guardam-se actualmente cerca de 60 000 volumes, compreendendo diversas matérias, todos editados até ao final do século XVIII.

Esta nova câmara junta-se a uma outra, adquirida o ano passado, que ficou instalada no edifício principal da Biblioteca Geral (BGUC).

Para além de livros, as câmaras podem ainda ser utilizadas no tratamento de outros objectos de valor patrimonial que se encontram à guarda das diferentes bibliotecas e museus da Universidade.

De acordo com o director da Biblioteca Geral, José Augusto Bernardes, “esta iniciativa – tomada em tempos tão difíceis, do ponto de vista orçamental – é particularmente louvável, revelando uma consciência muito clara da responsabilidade que cabe à instituição de preservar e manter acessível um património que, embora pertencendo à Universidade de Coimbra, é também do país e do mundo”.

Além da nova câmara de anoxia instalada na Joanina, recentemente foram montadas novas estantes compactas no piso térreo da Biblioteca Geral, equivalendo a 2 000 metros de extensão. Assim, a Biblioteca da Universidade fica “dotada de condições para continuar a receber e a catalogar os livros e periódicos provenientes do Depósito Legal (cerca de 15 000 volumes, correspondendo a cerca de 230 metros, em cada ano) e também daqueles que são regularmente incorporados no catálogo, através de compra, oferta ou permuta”, explica José Augusto Bernardes.

Nos seus dois edifícios (Joanina e edifício novo) a Biblioteca Geral acomoda actualmente cerca de um milhão e meio de volumes, para além de jornais, revistas, manuscritos raros e colecções especializadas, com destaque para uma notável colecção de mapas antigos e um extenso e invulgar conjunto de documentos musicais dos séculos XVI e XVII.