Coimbra  28 de Fevereiro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

UC lidera projecto europeu de biorrecuperação de metais de resíduos mineiros

22 de Janeiro 2021 Jornal Campeão: UC lidera projecto europeu de biorrecuperação de metais de resíduos mineiros

A Universidade de Coimbra (UC) lidera o projecto europeu “REVIVING – revisiting mine tailings to innovate metals biorecovery”, que visa recuperar resíduos gerados pelo sector mineiro, contribuindo desta forma para o Acordo Verde Europeu (European Green Deal).

Segundo a docente da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) e coordenadora do projecto, Paula Morais, o “REVIVING” tem como parceiros investigadores e empresas ligadas ao sector mineiro de França, Roménia e Portugal e “vai estudar a utilização das comunidades microbianas dos próprios resíduos na lixiviação de metais valiosos, abordando o problema da devolução dos resíduos ao ciclo produtivo e, desta forma, apoiando a transição da UE para uma economia circular. Se os resíduos forem processados e recuperados, estes podem ser considerados um recurso, em vez de “um bem a ser descartado”, voltando a ser um material inerte a devolver ao ambiente”.

A UC revela, ainda, que “genericamente, vai ser explorado um novo conceito de biolixiviação”, que acrescenta a também investigadora do Centre for Mechanical Engineering, Materials and Processes (CEMMPRE) da UC, “consiste na manipulação do microbioma dos resíduos (conjunto de comunidades microbianas que residem nos resíduos) e hidrometalurgia com aplicação de pressão negativa”.

Para tal, os investigadores vão usar as novas técnicas moleculares “Next – Generation Sequencing”, e vão estudar a “libertação de metal após o bioprocessamento, usando a pressão negativa como estratégia inovadora de extracção de metal e como forma de ultrapassar a heterogeneidade do material (ou materiais) de fase sólida”, detalha Paula Morais.

No final do projecto, com a duração de três anos, vai ser implementado um sistema piloto na maior mina de tungsténio da Europa – a mina da Panasqueira – com o objectivo de transformar os resíduos mineiros, tóxicos, em matéria-prima, numa perspectiva de economia circular.

A docente e investigadora sublinha ainda que, na Europa, “mais de 300 milhões de toneladas de resíduos de extracção e mineração são produzidos anualmente. No mundo, a demanda por metais, tanto em quantidade como em diversidade, tem crescido devido à sua utilização na tecnologia em geral e particularmente nas tecnologias modernas, ecologicamente correctas, do tecido industrial europeu”.

No âmbito do arranque deste projecto, que obteve um financiamento de 1,2 milhões de euros da União Europeia (UE), vai decorrer, na próxima segunda-feira (25), pelas 14h00, um webinar subordinado ao tema “Raw Materials, a key factor on the support of European Green Deal”.

A iniciativa junta especialistas de várias áreas e pretende discutir como é que as novas tecnologias de base bio – “nature based” – podem ajudar a obter matérias-primas a partir de recursos secundários, contribuindo assim para os objectivos do Acordo Verde Europeu.

A inscrição no webinar pode ser efectuada em: https://forms.gle/DsK5ttyMFa2c6Ew87.