Coimbra  18 de Maio de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

UC estuda o que o cérebro diz ao corpo para tentar antecipar doenças

18 de Março 2021 Jornal Campeão: UC estuda o que o cérebro diz ao corpo para tentar antecipar doenças

Um projecto liderado pela Universidade de Coimbra (UC) está a estudar ‘mensageiros’ que podem definir o estado de saúde da pessoa, abrindo “um portãozinho de um portal enorme” para uma forma precoce de antecipação da doença.

“Vai abrir um portãozinho de um portal enorme, onde passamos a ser os motores do nosso próprio progresso na saúde. A nossa intervenção na saúde é muito activa e não temos noção disso”, disse a investigadora e docente da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), Goreti Sales, que coordena o projecto “BioMark@UC”.

O projecto junta a Universidade de Coimbra, o Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto e instituições da Suécia e da Finlândia, contando com um financiamento europeu de 4,4 milhões de euros.

“Nós sabemos que quando alguém tem stresse fica doente. Ou seja, numa condição de stressd, que é mental, fico com uma doença. Também sabemos que quando as pessoas fazem meditação ficam com saúde – isso está documentado cientificamente. Neste contexto, temos dois paradigmas. Tanto posso com a mente movimentar-me na direcção da saúde, como na da doença, mas nenhum de nós sabe explicar porque é que isso acontece”, notou.

O projecto centra-se nessa zona pouco explorada e estudada sobre a forma como a mente pode influenciar o estado de saúde da pessoa.

“As melhorias [com meditação] não acontecem por mágica ou por um passo de milagre. Há uma alteração fisiológica no corpo. De facto, quando controlamos a mente, tem que haver uma informação transmitida da mente para o corpo”, frisou.

Nesse sentido, o projecto está à procura de uns mensageiros – vesículas extracelulares – que são “responsáveis por levar a informação do cérebro à periferia”, procurando perceber qual desses mensageiros poderá estar associado a um estado de saúde ou de doença, aclarou.

Goreti Sales aponta para o seu próprio caso: “Durante anos andei a queixar-me de sintomas e ninguém descobria o que era. O meu corpo dizia há muitos anos que tinha doença de Crohn, mas a medicina não conseguia detectar esses sinais”.

“Fazendo meditação, poderia contrariar os indicadores. Há padrões de doença que não são exclusivamente mentais, nomeadamente as genéticas programadas, não há mente que lhes valha. Mas grande parte das questões e da velocidade da evolução da doença são mentais”, vincou.

Para isso, o projecto vai contar com um ensaio clínico de grande dimensão, com a participação de cerca de 700 ex-doentes oncológicos do IPO do Porto, que estão nos cinco anos de seguimento após a doença.

“Vamos procurar nesses indivíduos o que vai mudar neles, que mensageiros novos vão aparecer no seu processo de meditação”, explicou.

Segundo Goreti Sales, o projecto vai também desenvolver um dispositivo para identificar os níveis do tal mensageiro que poderá indicar saúde.

“Se um determinado mensageiro vai estar com níveis mais elevados em pacientes com meditação, significa que ter um aumento desse mensageiro é um prenúncio de melhoria da saúde. As pessoas vão ser acompanhadas nos seus parâmetros clínicos e psicológicos e no final vamos concluir se tivermos um determinado mensageiro alto a pessoa está a caminhar na direcção da saúde”, referiu.

Goreti Sales acredita que poderá haver outras estratégias, mas terão que ser cientificamente validadas, estando o projecto só centrado na meditação, cujos benefícios já estão documentados.

A investigação começou há dois anos e deverá prolongar-se por mais três.