Coimbra  20 de Julho de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

UC acolhe encontro internacional sobre mudanças climáticas

18 de Junho 2019

Sob o mote de como as mudanças climáticas do passado são fundamentais para o futuro do planeta, realiza-se, hoje e amanhã (19), na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), o Encontro Internacional sobre Paleoclima.

Esta é uma ciência que estuda o registo das alterações do clima ao longo do tempo e o principal objectivo deste encontro é “mostrar como as mudanças climáticas do passado são uma peça-chave para melhorar a compreensão da dinâmica do clima no presente e no futuro próximo do planeta”, revela a organização, a cargo do Centro de Geociências e pelo Centro de Investigação da Terra e do Espaço, ambos da FCTUC.

O encontro, intitulado “International Meeting on Paleoclimate: Change and Adaptation”, tem os investigadores Maria Helena Henriques e Rui Pena dos Reis no comité organizador, que salientam: “só compreendendo a natureza das alterações climáticas do passado é possível estabelecer, de forma séria e sustentada, modelos de previsão para o futuro. A discussão internacional sobre as alterações climáticas tem sido muito politizada, não tem aproveitado as lições do que o passado fornece – as alterações climáticas já acontecem há muitos milhões de anos – para estabelecer padrões e cenários da variação do clima para o futuro”.

O conhecimento, sempre baseado na ciência, “é crucial para enfrentar os desafios actuais. Por isso, com este encontro pretende-se estimular uma discussão aberta sobre os sinais paleoclimáticos, a fim de melhorar o nosso olhar para o presente e fundamentar as perspectivas futuras sobre as alterações climáticas”, realçam os também docentes do Departamento de Ciências da Terra da FCTUC.

Do programa do encontro, que conta com a apresentação de mais de meia centena de comunicações científicas, constam quatro conferências plenárias e uma mesa redonda, destacando-se as conferências de David Grinspoon e Jefferson Cardia Simões.

David Grinspoon, astrobiólogo norte-americano que estuda a evolução do clima e a habitabilidade de outros planetas, é conselheiro da NASA e tem sido galardoado com múltiplos prémios pela sua actividade enquanto comunicador de ciência, dos quais se destaca a atribuição do seu nome a um pequeno planeta, o asteróide Grinspoon.

Já Jefferson Cardia Simões, pioneiro da glaciologia no Brasil, é actualmente vice-presidente do Scientific Committee on Antarctic Research/Conselho Internacional para a Ciência (SCAR/ISC).

O evento teve início já hoje e reúne participantes de vários países, entre os quais, além de Portugal, Brasil, Espanha EUA, França e Marrocos.

A discussão vai centrar-se em cinco grandes temas: paleoclima no sistema solar: forças externas e evoluções divergentes; mudanças climáticas no tempo geológico: lições para aprender; memória climática no registo geológico; as adaptações humanas às alterações climáticas ao longo do Quaternário; eventos climáticos e interacções homem-ambiente.

No fundo, concluem Maria Helena Henriques e Rui Pena dos Reis, vai-se “discutir como é que o clima é influenciado por factores externos à Terra, como é que a Terra exprime essas alterações climáticas ao longo do tempo geológico, que memórias ficaram na superfície da Terra e o que testemunham, como foi a adaptação da espécie humana ao longo do Quaternário e as interacções pessoas-ambiente e os eventos climáticos”.

No âmbito do encontro, os participantes vão realizar uma viagem de estudo ao Geoparque da Serra da Estrela, que está em processo de avaliação para vir a ser integrado na rede global de geoparques da UNESCO. Neste geoparque existem vários locais com registos exuberantes da acção glaciar ocorrida há cerca de 20 000 anos.

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com