Coimbra  29 de Janeiro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Trouxemil reaviva história com mural que saúda peregrinos

18 de Dezembro 2019

Quem passa pela rua do Senhor dos Aflitos, na pela União de Freguesias (UF) de Trouxemil e Torre de Vilela, é recebido por um mural, com cerca de 100 metros, onde está “instalada” uma verdadeira obra de arte que reaviva a história que liga aquela localidade a Santiago de Compostela, em Espanha.

Sendo que aquele é um dos “Caminhos de Santiago”, a UF quis dar vida a um “muro cinzento e triste”, recebendo os peregrinos com cor, alegria e mostrar-lhes a história desta localidade. A ideia partiu, por isso, da UF e foi executada, durante cerca de dois meses, por duas artistas de Coimbra.

Para o presidente de Trouxemil e Torre de Vilela, Horácio Costa, o objectivo foi, não só “dar ânimo às milhares de pessoas que por aqui passam anualmente, dando-lhes as boas-vindas à freguesia”, como “até para os próprios habitantes, para que saibam o que temos aqui neste que é um ponto de paragem obrigatório, de agora, mas também de há vários séculos”.

A obra de arte está exposta desde Novembro e conta a história de uma tradição muito importante na localidade e que evoca a sua ligação a Santiago de Compostela, através de símbolos como a espada, as torres da catedral, entre outros.

O laço entre Trouxemil e Santiago é, ainda, unido pelo caminho de peregrinação que segue, também, a via romana que ligava ‘Aeminium (hoje Coimbra) a ‘Bracara Augusta’ (actual cidade de Braga’)”.

Desde que é possível ver o mural no seu todo que muitos são os que param e tiram fotografias, sejam peregrinos ou habitantes locais.

Segundo o autarca, a própria igreja paroquial de São Tiago foi, ainda antes da nacionalidade portuguesa, “propriedade da Catedral de Santiago de Compostela e dela recebeu o orago São Tiago Maior”.

Diz uma lenda antiga, que também por ali passou a Rainha Santa Isabel, nas suas peregrinações a Santiago de Compostela, e foi na igreja de São Tiago de Trouxemil que fez a sua “primeira estação de viagem”, onde entrou para rezar. Uma ligação que se mantém até hoje, encontrando-se ali uma imagem da padroeira de Coimbra, feita em pedra de Ançã e datada do século XVI.

“Atrevo-me a dizer que será uma das mais antigas, senão mesmo a mais antiga, imagens da Rainha Santa Isabel existentes no concelho de Coimbra ainda ao culto”, realça.

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com