Coimbra  27 de Fevereiro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Tráfico de droga: Recluso e uma mulher detidos pela PJ

5 de Junho 2017 Jornal Campeão: Tráfico de droga: Recluso e uma mulher detidos pela PJ

Um recluso do Estabelecimento Prisional de Coimbra e uma mulher, que a ele recorria para tráfico de droga no EPC, foram postos em prisão preventiva, revelou, hoje, a Directoria do Centro da PJ.

A aplicação da mais severa das medidas de coacção, sob proposta do Ministério Público, é da competência de um juiz de instrução criminal.

O detido encontrava-se a cumprir pena de cadeia em regime aberto.

De acordo com a Polícia Judiciária, os arguidos preparavam-se para transacionar 364 doses de haxixe, estupefaciente que seria posteriormente introduzido no EPC.

As detenções ocorreram no âmbito de uma investigação destinada a combater a introdução e comercialização de produtos estupefacientes em meio prisional.

Na sequência das diligências que levaram às detenções, à mulher foram apreendidos 52 doses de haxixe e 200 euros em numerário – dinheiro que, segundo a PJ, seria entregue ao recluso como contrapartida financeira pela introdução da droga no Estabelecimento Prisional de Coimbra – e ao indivíduos foram apreendidas 38 bolotas de haxixe (correspondentes a 750 doses).

A investigação, iniciada há quatro meses, decorreu em estreita colaboração com os Serviços Prisionais e visou interromper a actividade ilícita do sobredito recluso.

A PJ crê que o indivíduo aproveitava as ausências do EPC para, a mando de outros, receber produtos estupefacientes, presumindo-se que os escondia e separava em pequenas porções a fim de, diariamente, os ocultar no interior do organismo.

A Policia presume tratar-se de um método para, discreta e faseadamente, fazer introduzir droga no Estabelecimento Prisional de Coimbra. Uma vez na posse daqueles que controlam o tráfico de droga no seio do EPC, os produtos seriam vendidos à comunidade prisional por valores muito acima dos praticados fora dos muros da cadeia.

Os arguidos têm 30 anos de idade e a mulher é possuidora de antecedentes criminais pelo mesmo tipo de ilícito.