Coimbra  20 de Outubro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Teatro Académico de Gil Vicente em Coimbra cria Centro de Documentação

1 de Julho 2021 Jornal Campeão: Teatro Académico de Gil Vicente em Coimbra cria Centro de Documentação

O Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV), em Coimbra, apresentou hoje o seu Centro de Documentação, um espaço que pretende documentar, digitalizar e ilustrar as actividades artísticas desenvolvidas pelo teatro desde a sua criação, em 1961.

O Centro de Documentação, apresentado hoje, reúne material e documentos do TAGV desde o arranque do teatro, dando para “perceber as dinâmicas da cidade de Coimbra” desde a segunda metade do século XX, acompanhando ao mesmo tempo as diversas dinâmicas do país, desde “a pré-revolução, revolução, pós-revolução e democratização”, disse o director do TAGV, Fernando Matos de Oliveira.

Segundo o responsável, os materiais, acima de tudo de produção e de programação do teatro, estavam espalhados pelo sub-palco e espaços administrativos do TAGV, permitindo agora ao espaço ter um arquivo.

“A criação artística tem-se debruçado sobre o trabalho da memória e do arquivo e nós não tínhamos a nossa memória cuidada”, notou.

De acordo com Fernando Matos de Oliveira, este novo espaço vai digitalizar, tratar e preservar materiais do teatro, possibilitando ainda oficinas, reuniões e até possíveis edições físicas em torno da sua documentação e arquivo.

Já este ano, o TAGV deverá ter disponível em formato digital 95% de toda a sua programação desde 1961, com as fichas dos eventos, referiu.

Face a este trabalho, o teatro vai também apoiar os grupos universitários de teatro de Coimbra a trabalharem e tratarem os seus arquivos, acrescentou.

Já o vice-Reitor da Universidade de Coimbra, Delfim Leão, considerou que o centro, que tem ligação ao TAGV e ao Laboratório de Investigação e Práticas Artísticas (LIPA), “é uma peça essencial que faltava”.

Para o responsável, este novo projecto vai também poder alimentar “trabalho de investigação e de revisitação artística”.

Segundo Delfim Leão, a UC está também a preparar projectos centrados na digitalização de outros organismos da instituição, aproveitando também os fundos que estarão disponíveis no Plano de Recuperação e Resiliência.