Coimbra  11 de Julho de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

SOS Estudante é uma linha de apoio que se estendeu a todos

20 de Novembro 2016 Jornal Campeão: SOS Estudante é uma linha de apoio que se estendeu a todos

A linha de apoio SOS Estudante foi pensada para os alunos, mas atende chamadas de pessoas de todas as faixas etárias e agora passa também a estar disponível por ‘skype’, à procura de ouvir a geração mais jovem.

Em vésperas de completar 20 anos, a SOS Estudante criou em Outubro uma conta no ‘skype’ (software que permite comunicação através da Internet por voz, texto ou vídeo), à procura de chegar aos mais jovens, disse à agência Lusa a Direcção da única linha de apoio emocional do país composta apenas por estudantes.

A opção de criar a conta no ‘skype’ não está relacionada com a gratuitidade das chamadas, mas por a Direcção constatar que “os jovens preferem falar por mensagens” do que através de uma conversa telefónica, explica a tesoureira da SOS Estudante, Diana Callebaut.

Apesar de no ‘skype’ não ser possível identificar tão facilmente o estado emocional das pessoas, os jovens têm hoje uma maior preferência pelas mensagens de texto, com as conversas por voz a poderem ser consideradas por estes “mais intrusivas”, explica a estudante de Medicina.

A iniciativa, lançada a título experimental, ainda não tem tido “grande procura”, mas a publicidade deste novo meio para falar com os voluntários da SOS Estudante também não é muita, sublinha o presidente, Diego Prado.

A linha de apoio, que vai fazer 20 anos em Abril de 2017, conta com mais de 600 chamadas por ano, numa média de duração de 20 a 30 minutos cada, atendidas por um dos 24 voluntários que garantem o funcionamento da SOS Estudante entre as 20h00 e a 01h00, todos os dias.

Nas chamadas, os principais problemas relatados estão relacionados com a solidão (24 por cento), relacionamentos (20 por cento), mas também a sexualidade ou a ideação suicidária (08 por cento).

Apesar de a linha ter sido pensada para os estudantes, atualmente a maioria (44 por cento) das pessoas que liga para a SOS Estudante tem mais de 50 anos e a quase totalidade são homens (90 por cento), estima a linha de apoio, que funciona como secção cultural da Associação Académica de Coimbra.

Para participar na linha, os estudantes têm de passar por uma selecção e uma formação de 30 horas, onde aprendem “a escutar” e a aproximarem-se “do problema da pessoa”, afirma Diego Prado. “Chamamos-lhe uma escuta activa ou empática”, acrescenta Diana Callebaut.

Durante a chamada, não há espaço para conselhos ou julgamentos. “Em vez de orientarmos a pessoa para um caminho, tentamos que a pessoa perceba por ela própria o que quer fazer”, explica. “Uma boa chamada é quando compreendemos a pessoa e sentimos que a pessoa se sente compreendida”, sublinha Diego Prado.

No entanto, escutar os problemas das pessoas “não é fácil” e a própria linha garante apoio aos voluntários que precisem “de desabafar”, refere.

Ana Luís Garcia, antiga presidente da SOS Estudante, realça que na formação os voluntários aprendem “a escutar e a empatizar com a pessoa que liga. Despimos ao máximo as nossas opiniões e julgamentos para ouvir sem dar qualquer juízo de valor”.

“Somos, acima de tudo, um ouvido. Muito mais um ouvido do que uma voz”, realça a estudante de Direito.

A SOS Estudante já está a assinalar os 20 anos de vida, com sessões de cinema e de debate.

Na quarta-feira (dia 23) será exibido o filme “Três Cores: Azul”, no ‘Aqui Base Tango’, e a 07 de Dezembro seráé dinamizado um debate intitulado “A (des)construção da identidade”, na Casa das Artes Bissaya Barreto.

Em 2017, a linha de apoio realiza mais duas sessões de cinema e duas sessões de debate em Março e, em Abril, acolhendo também o Encontro Nacional das Linhas de Apoio Emocional.

A linha está acessível através dos números 915246060, 969554545 e 239484020 e através do ‘skype’ (nome de utilizador: sos.estudante).