Coimbra  28 de Julho de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Somos Coimbra considera sistema “Ecovia” economicamente insustentável

25 de Maio 2021 Jornal Campeão: Somos Coimbra considera sistema “Ecovia” economicamente insustentável

O movimento Somos Coimbra considerou, ontem (24), que o sistema de transporte “Ecovia” contém erros básicos que se vão revelar “economicamente insustentáveis”.

“Lamentavelmente o PS Coimbra não quis dar ouvidos às críticas e sugestões prontamente apresentadas pelo Somos Coimbra pelo que insiste na manutenção de erros básicos do passado e na readoção de um modelo de funcionamento que, com grande grau de certeza, se relevará novamente economicamente insustentável”, sustentou a vereadora Ana Bastos.

Com este serviço, “o PS Coimbra, ao invés de estar a proporcionar aos munícipes um serviço que complemente e promova o uso da rede de transportes públicos, está, pelo contrário, a criar um sistema paralelo e concorrencial ao metrobus e aos Serviços Municipalizados de Transportes Urbanos de Coimbra (SMTUC) e que apenas contribuirá para aumentar o défice destes serviços municipalizados”, sublinhou.

Para que o sistema “Ecovia” tenha sucesso, o movimento Somos Coimbra defende que seja revisto o acesso aos espaços condicionados como o Pólo I da Universidade e Alta de Coimbra, devidamente conjugado com o condicionamento da duração e tarifação do sistema de estacionamentos.

“Enquanto se mantiver o acesso livre ao sistema de estacionamentos, a procura do transporte público manter-se-á residual”, antevê.

Segundo Ana Bastos, o Município deverá criar uma “verdadeira rede de parques periféricos, cobrindo os principais acessos ao centro urbano, de forma a acolher os utilizadores antes de entrarem no espaço central”.

A autarca considerou que se deve “salvaguardar um bom serviço de transporte público no apoio a esses parques periféricos, tirando partido, com eventuais reforços e ajustes, da rede existente.

“A criação de novas linhas deveria ser a excepção e não a regra, como previsto no actual modelo”, frisou.

Na sua intervenção, criticou ainda os SMTUC de “não terem frota nem motoristas” para garantir a frequência e fiabilidade do serviço, referindo que devem “dispor de recursos humanos e de frota complementar para reforçar o serviço, designadamente em períodos de ponta e de recarga de baterias”.

Para reforçar os transportes públicos, Ana Bastos defendeu também o investimento na infraestrutura, “para reduzir os tempos de percurso e aumentar a fiabilidade, alargando a rede de corredores ‘bus’ e medidas de apoio”.

O Município de Coimbra apresentou ontem nove mini autocarros eléctricos que vão relançar a primeira fase do sistema de transporte “Ecovia” a partir de 01 de Junho, numa estratégia para “revolucionar” a mobilidade na cidade e melhorar o ambiente.

“Estamos a preparar uma revolução em matéria de mobilidade e vamos continuar a renovar e aumentar a frota dos SMTUC, investindo em veículos eléctricos, não poluentes, equipados com acesso à Internet e comodidades que atraiam pessoas para o uso frequente dos transportes públicos”, frisou ontem o presidente da Câmara, Manuel Machado.

O autarca, que falava numa cerimónia junto à porta férrea da Universidade de Coimbra, que é o primeiro parceiro do projeto, salientou que a aposta passa por criar um sistema de transporte “confiável, barato, ecológico e sustentável, que vai poupar a cidade à entrada de milhares de automóveis por dia”.

O executivo do socialista Manuel Machado retoma assim um projeto desenvolvido, de forma pioneira em Portugal e na Península Ibérica, na década de 90 do século passado pelo mesmo autarca, mas posteriormente abandonado, que será agora servido por nove miniautocarros 100% elétricos dedicados ao transporte das pessoas para o centro da cidade.