Coimbra  20 de Agosto de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Sindicato admite novas “formas de luta” na alimentação dos CHUC

7 de Agosto 2019

Os trabalhadores das unidades de alimentação do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) podem “encetar formas de luta” devido ao agravamento dos problemas laborais, alertou, hoje, o sindicato do sector afecto à CGTP.

O “reduzido quadro de pessoal” do Serviço de Utilização Comum dos Hospitais (SUCH), na generalidade das unidades hospitalares do CHUC e os problemas ao nível da segurança, higiene e saúde no trabalho, nos Hospitais da Universidade de Coimbra ‎(HUC), são “os principais motivos” de insatisfação dos trabalhadores, disse à agência Lusa o dirigente António Baião, do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Centro.

“Os problemas das unidades de alimentação do CHUC, que se encontram concessionadas à empresa SUCH, aumentam e agravam-se diariamente. Todos os trabalhadores deste serviço possuem razões mais do que justas para encetar formas de luta”, afirma o sindicato.

No dia 19 de Julho, cerca de 200 trabalhadores e trabalhadoras reuniram-se em plenário no parque de estacionamento do serviço de alimentação dos HUC, tendo aprovado uma moção “que retrata (…) as condições de trabalho nas unidades”, a qual foi depois entregue ao presidente do Conselho de Administração do CHUC, Fernando Regateiro.

“Desde essa data, nada se alterou. Apesar do compromisso assumido em reunião, apenas verificamos pequenas obras de remendo, em linguagem médica ‘cuidados paliativos’, alguns efectuados ao mesmo tempo da laboração, confecção de alimentos, colocando ainda mais em causa as condições de higiene e segurança alimentar e de trabalho”, lamenta o sindicato.

Esta situação, segundo o Sindicato, “agrava-se ainda com a ausência de substituição de trabalhadores em situação de férias ou baixa médica, o que aumenta as já difíceis condições de prestação do serviço, diminuiu drasticamente a sua qualidade, e aumenta os ritmos de trabalho para níveis inaceitáveis”.

“Tem este sindicato estado a conduzir este processo de forma séria e responsável, por estarmos a tratar de situações em meio hospitalar, mas o aparecimento de estruturas sindicais que ‘acordaram’ agora para este problema, como é o caso da UGT, (…) que neste sector da alimentação colectiva tudo tem assinado com os patrões em retirada de direitos aos trabalhadores, e do seu Sindicato da Administra Pública”, critica o Sindicato de Hotelaria do Centro, filiado na CGTP.

O sindicato congénere, filiado na UGT, “sem ter um acompanhamento deste sector, que é de empresas privadas concessionárias deste serviço público, vem realizar greves de vários dias”, no Hospital Pediátrico de Coimbra, que faz parte do CHUC, “que não irão, infelizmente, resolver os problemas dos trabalhadores, nem do serviço”.

Neste contexto, a Direcção do Sindicato de Hotelaria do Centro enviou um “pedido de audiência com carácter de urgência”, assinado por centenas de trabalhadores, à ministra da Saúde, Marta Temido.

“Na ausência de resposta, irão ser decididas outras formas de luta, com responsabilidade e sem sensacionalismo e oportunismo”, informa.

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com