Coimbra  16 de Setembro de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Serviços Pediátricos de Coimbra certificados pelo Ministério da Saúde

28 de Agosto 2019

O Centro de Desenvolvimento da Criança e o Centro de Referência de Doenças Hereditárias do Metabolismo do Hospital Pediátrico do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), os dois principais serviços pediátricos, foram certificados pelo Ministério da Saúde.

Criado em 1979, o Centro de Desenvolvimento da Criança é um serviço multidisciplinar, que tem como especificidade o facto de ter três áreas da pediatria a trabalhar em conjunto: neurodesenvolvimento, neuropediatria e doenças hereditárias do metabolismo.

“Temos de diferente o facto de reunirmos três unidades funcionais muito relevantes na área pediátrica”, salientou Guiomar Oliveira, directora do Centro.

Em 2018, aquele Serviço realizou 15 533 consultas, distribuídas por 11 tipos diferentes das três áreas que abrange, liderando nesta área a nível nacional.

As suas consultas representam um quarto das consultas de pediatria e cerca de 20 por cento de todo o ambulatório no Hospital Pediátrico de Coimbra.

Guiomar Oliveira acrescentou, ainda, que o numero de consultas não tem parado de aumentar e cresceu 10 por cento de 2017 para 2018.

A hiperactividade e o autismo estão entre os primeiros quatro géneros de consultas mais frequentes, logo seguidas da epilepsia e metabolismo.

Já o Centro de Referência de Doenças Hereditárias do Metabolismo do Hospital Pediátrico, reconhecido em Março de 2016, possui, também, um polo para adultos com capacidade para prestar cuidados a doentes de qualquer faixa etária, incluindo grávidas e recém-nascidas.

Coordenado pela médica Luísa Diogo trata-se de um dos cinco centros de referências nacionais nesta área, integrando a Rede Europeia de Doenças Hereditárias do Metabolismo, além de ter sido cofundados da Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas.

A coordenadora salienta que as doenças raras “são muito diversificadas” e estão a aumentar em face da evolução da capacidade de diagnóstico.

Luísa Diogo defende, ainda, que os “doentes raros têm de ser financiados de acordo com os diagnósticos e não pelo número de consultas que geram”.

A assistência a doentes com este tipo de doenças realiza-se, principalmente, em ambulatório, embora o serviço acompanhe os doentes que precisam de internamento ou estejam na Unidade de Cuidados Intensivos e dê apoio de consultoria a todos os Serviços do CHUC e a outras instituições de saúde da região Centro.

Fernando Regateiro, presidente do Conselho de Administração do CHUC, salientou que “para a certificação do Centro de Desenvolvimento da Criança e do Centro de Referência de Doenças Hereditárias do Metabolismo concorreram, decisivamente, os elevados padrões de exigência e qualidade dos seus profissionais”.

“A certificação é um valioso reconhecimento da qualidade de uma organização e cultura centrada no doente e nos profissionais”, frisou o responsável, que destacou, também, que “a outorga de certificação promove a confiança dos cidadãos nos Serviços”.

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com