Coimbra  25 de Maio de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Serpins: Eleitos pelo PSD renunciam à Assembleia de Freguesia

23 de Abril 2019

Quatro autarcas eleitos pelo PSD para a Assembleia de Freguesia de Serpins (Lousã) acabam de renunciar aos cargos, revelou, hoje, José Serra, ex-candidato a presidente da Junta local.

A Assembleia, presidida pelo socialista Fernando Carvalho (ex-líder do Município lousanense), mantém-se em funções na medida em que possui cinco membros (eleitos pelo PS).

Para o presidente da Junta, João Pereira, trata-se de uma situação respeitante a outro órgão autárquico, razão por que ele entende não dever imiscuir-se.

Em carta enviada a Fernando Carvalho, da autoria de José Serra e por ele divulgada, é feita alusão a “acusações e comentários menos correctos”, alegadamente proferidos por autarcas para visar os demissionários.

Serra queixa-se de lhe terem sido imputadas culpas pelo “problema que existe com os empresários sediados em Vale da Ursa”, embora, segundo ele, todos saibam que “ninguém está contra o desenvolvimento da freguesia e muito menos dos agentes económicos ali sediados”.

José Serra, Luís Carlos da Silva, Patrícia Ribeiro e Isabel Serra insurgiram-se contra os termos da ratificação por parte da sobredita Assembleia de um acordo de colaboração, outorgado pela Câmara Municipal da Lousã, sobre a legalização dos terrenos da área industrial de Vale da Ursa.

Outrora abrangida pela Reserva Ecológica Nacional, a zona de Vale da Ursa foi atingida pelo flagelo do incêndio florestal de meados de Outubro de 2017, motivo por que a situação dos empresários ali implantados reclamou a tomada de medidas destinadas a minimizar os respectivos problemas.

Neste contexto, os autarcas demissionários repudiam quaisquer comentários a responsabilizá-los “pelo que se está a passar com as pessoas e empresas que exercem a sua actividade naquele local”.

Do ponto de vista de José Serra, Luís Carlos, Patrícia Ribeiro e Isabel Serra, o referido acordo de colaboração assenta num “documento, nada claro, que omite muita informação demasiado relevante para o interesse da freguesia e dos agentes económicos sediados em Serpins”.