Coimbra  24 de Fevereiro de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Secretária de Estado acompanha evolução em obra na Docapesca da Figueira da Foz

15 de Dezembro 2023 Jornal Campeão: Secretária de Estado acompanha evolução em obra na Docapesca da Figueira da Foz

A secretária de Estado das Pescas, Teresa Coelho, realizou ontem (14) uma visita às instalações da Docapesca – Portos e Pescas S.A. na Figueira da Foz, onde se inteirou do progresso das obras para a construção de um pavilhão industrial de transformação e congelação de pescado. O investimento, no valor de 1.267.000,00 euros, tem conclusão prevista para Julho de 2024.

A visita, que contou com a presença do presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz, Pedro Santana Lopes, do vereador Manuel Domingues, do presidente do Conselho de Administração da Docapesca, Sérgio Faias, do director regional da empresa, Nuno Nazário, do presidente da Administração da Atlanticeagle Shipbuilding – AES (Estaleiros Navais do Mondego- ENM), Bruno Costa, e do armador António Lé, proporcionou uma oportunidade para discutir não apenas o progresso do novo pavilhão, mas também para abordar questões cruciais do sector das pescas na região.

Durante a reunião informal que se seguiu à visita, foram discutidos vários assuntos relacionados com o sector das pescas na Figueira da Foz, com destaque para o problema do acesso à barra do porto e a ausência de uma draga em permanência. O armador António Lé anunciou uma iniciativa, no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), para reactivar a construção de barcos tradicionais de pesca nos Estaleiros Navais do Mondego, através do novo navio “Atleta”, com início previsto para o primeiro trimestre de 2024.

Bruno Costa, da Atlanticeagle Shipbuilding – AES, expressou satisfação pela encomenda do “Atleta” e destacou a importância do alumínio como matéria-prima nos estaleiros da Figueira da Foz. No entanto, salientou que a falta de dragagem tem sido um obstáculo, levando o estaleiro a recusar trabalhos.

Teresa Coelho, atenta às preocupações apresentadas, enfatizou que o novo armazém em construção reflecte a preocupação com a comunidade piscatória, e sublinhou que os investimentos são financiados pelas receitas próprias da Docapesca, contribuindo para a segurança e melhores condições do sector. A secretária de Estado considerou a possibilidade de direccionar para a Figueira da Foz trabalhos que estão parados noutros estaleiros nacionais.

Santana Lopes destacou o problema contínuo da dragagem do porto, apelando à necessidade de uma draga permanente. O presidente da Câmara sugeriu a possibilidade de a autarquia adquirir uma draga, aguardando um orçamento para tal.