Coimbra  20 de Outubro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

S. Clara e C. Viegas: PS proclama ser “garante da legalidade”

3 de Maio 2018 Jornal Campeão: S. Clara e C. Viegas: PS proclama ser “garante da legalidade”

A Secção de Santa Clara (Coimbra) do PS considerou, hoje, serem os seus eleitos “o único garante da legalidade e transparência” no funcionamento dos órgãos autárquicos locais.

A tomada de posição surgiu na sequência de um repto da Comissão Concelhia do PSD/Coimbra no sentido de os dois representantes do Partido Socialista na Junta da União de Freguesias de Santa Clara e Castelo Viegas (UFSCCV) e o presidente da Assembleia renunciarem aos cargos.

A causa próxima do desafio feito pela estrutura partidária social-democrata é o «chumbo» das contas do exercício financeiro de 2017 do órgão executivo da UFSCCV, liderado por José Simão (PSD).

Depois do acto eleitoral de 01 de Outubro de 2017, cujo desfecho atribuiu maioria relativa à coligação “Mais Coimbra”, os socialistas tornaram-se parceiros do PSD na gestão da Junta, mas, recentemente, a Secção do PS/Santa Clara considerou que a aliança pós-eleitoral corre o risco de implodir.

Com cinco dos 13 assentos da Assembleia de Freguesia, a coligação “Mais Coimbra” (PSD – CDS/PP – PPM – MPT) carece de outros dois mandatos para garantir a recomposição do órgão executivo. O Partido Socialista possui quatro mandatos, o movimento “Somos Coimbra” dois, a CDU um e o movimento Cidadãos por Coimbra (CpC) um.

Que as “actas reflictam as decisões (…) e não sejam sujeitas a permanentes alterações depois de aprovadas”, ficando, alegadamente, “desconformes com o deliberado”, é uma das réplicas da Secção de Santa Clara do PS.

Para aquela estrutura partidária socialista, “a mancha de suspeição que, no momento, recai sobre a actuação do presidente de Junta” da União de Freguesias de Santa Clara e Castelo Viegas “podia e devia ser evitada pelo próprio”.

“Cabe à coligação ‘Mais Coimbra’ (…) [proceder a] maior acompanhamento dos seus eleitos na UFSCCV e, sendo o PSD respeitador do Estado de Direito democrático, ter presentes os factos que, infelizmente, já estão sob a alçada da Justiça”, conclui a mesma estrutura partidária socialista.

Apesar da tomada de posição da sobredita estrutura, fontes partidárias disseram ao “Campeão” que pressentem estar a secretária da UFSCCV, Filipa Nobre (eleita pelo PS), a distanciar-se das orientações da Comissão Concelhia socialista conimbricense.