Coimbra  25 de Maio de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

S. Clara e C. Viegas: Contas de Junta rejeitadas em anos consecutivos

2 de Maio 2019

As contas do exercício financeiro de 2018 da Junta de Santa Clara e Castelo Viegas (PSD e PS) foram rejeitadas, anteontem, pela Assembleia da União de Freguesias, repetindo-se o «chumbo» das de 2017.

No âmbito do órgão executivo da UFSCCV, um vogal da Junta, Ramiro Simões (socialista), também se demarcara das contas, ao invés de Filipa Nobre (secretária, igualmente eleita pelo PS), cujo voto favorável acompanhou os do presidente, José Simão (PSD), da tesoureira, Lídia Joana Falcão (ex-CDU), e de Bertília Simão.

Interpelado pelo “Campeão”, o dirigente do PS David Ferreira da Silva indicou que o partido mantém confiança política na secretária da Junta da UF de Santa Clara e Castelo Viegas apesar de a posição de Filipa Nobre destoar das dos demais autarcas socialistas.

Através da edição impressa de 03 de Maio de 2018, o nosso Jornal noticiou que o PSD desafiava o PS a deitar abaixo a sobredita Junta, cujo presidente descartou, então, a realização de eleição intercalar para a Assembleia da UFSCCV.

Na sequência do acto eleitoral de 01 de Outubro de 2017, cujo desfecho atribuiu maioria relativa à coligação “Mais Coimbra” (PSD – CDS – PPM – MPT) ), os socialistas tornaram-se parceiros dos social-democratas na gestão da Junta de Santa Clara e Castelo Viegas.

Embora haja reconhecido que a aliança pós-eleitoral estabelecida por “Mais Coimbra” e pelo PS foi “uma criação” dos líderes concelhios social-democrata, Nuno Freitas, e socialista, Carlos Cidade, Simão declarou, há um ano, não esperar o que rotulou de traição em matéria de reprovação das contas da Junta.

A Secção de Santa Clara (Coimbra) do PS considerou, a 03 de Maio [de 2018], serem os seus eleitos “o único garante da legalidade e transparência” no funcionamento dos órgãos autárquicos locais.

A tomada de posição surgiu na sequência de um repto da Comissão Concelhia do PSD/Coimbra no sentido de os dois representantes do Partido Socialista na Junta da UFSCCV e o presidente da Assembleia, José Carlos Clemente, renunciarem aos cargos.