Coimbra  29 de Maio de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Reuniões entre dirigentes da China e dos EUA dão sinais positivos para as relações bilaterais

30 de Outubro 2023

A convite dos Estados Unidos, o Ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Yi (membro do Bureau Político do Comité Central do Partido Comunista da China) visitou aquele país entre os passados dias 26 e 28.

Durante esta visita, o dirigente chinês foi recebido pelo Presidente dos EUA, Joe Biden, manteve duas rondas de conversações com o Secretário de Estado norte-americano, John Blinken, tendo também reunido com o Conselheiro de Segurança Nacional, Jake Sullivan.

Esta é a primeira visita de um dirigente chinês aos EUA, depois de vários altos funcionários norte-americanos terem visitado a China desde o passado mês de junho.

Os analistas salientam que se trata de um sinal que permite uma visão cautelosamente optimista do desenvolvimento das relações sino-americanas nos próximos tempos.

A atitude da China em relação a esta visita é clara, apresentando os “cinco requisitos” para o desenvolvimento das relações bi-laterais: respeitar o consenso dos chefes de Estado dos dois países; estabilizar as relações bilaterais entre a China e os Estados Unidos; manter canais de comunicação abertos; controlar as diferenças, contradições e fricções; e promover uma cooperação de benefícios recíprocos.

Os Estados Unidos também fizeram comentários positivos, sublinhando ser importante uma relação estável e sustentável entre os dois países.

Devido à pressão das eleições presidenciais americanas de 2024, o atual governo dos EUA precisa cada vez mais de marcar pontos no domínio da diplomacia. Construir uma boa relação com a China, e depois beneficiar do desenvolvimento das duas partes, permitirá ao Presidente Biden marcar esses pontos.

Sendo a relação bilateral mais importante do mundo, os laços entre a China e os EUA têm muito a ver com o futuro da Humanidade. O mais relevante agora será aplicar os princípios do respeito mútuo, da coexistência pacífica e da cooperação vantajosa para todos, propostos pelo Presidente chinês, Xi Jinping.

A compreensão precisa e profunda da China sobre as relações sino-americanas é muito importante para manter os laços bilaterais estáveis e impulsionar um relacionamento saudável.

A questão de Taiwan, que está no centro dos interesses fundamentais da China, é o tema mais crítico nas relações sino-americanas. Desde há algum tempo, o lado americano procura a cooperação mas, ao mesmo tempo, dá passos para travar a China.

Durante esta visita aos Estados Unidos, a China sublinhou que a maior ameaça à paz e à estabilidade no Estreito de Taiwan, é a “independência de Taiwan”, o que constitui o maior desafio às relações entre a China e os EUA. A China defende que “são necessárias medidas políticas e acções concretas contra as forças separatistas”.

A direção das relações entre a China e os EUA é de grande importância não só para os dois países, mas para todo o mundo. Os sinais positivos que resultaram dos encontros entre dirigentes das duas nações dão motivos para um cauteloso optimismo quanto ao desenvolvimento dos laços sino-americanos, para que se possa regressar, o mais depressa possível, à via do desenvolvimento saudável e estável.

(Centro de Programas de Línguas da Europa e América Latina da China)