Coimbra  23 de Maio de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Região Centro registou aumento de 13 empresas gazela face a 2017

26 de Abril 2019

A região Centro contabilizou 95 empresas gazela, mais 13 do que em 2017, revelou, hoje, a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento da Região Centro (CCDRC).

As gazela são “empresas jovens que num curto período de tempo apresentam um crescimento acelerado no emprego e no volume de negócios”, estão presentes em todos os sectores de actividade e “diferenciam-se, também, pelo seu posicionamento nos mercados e pela sua capacidade de gestão e de risco”, refere a CCDRC, adiantando que, para além disso “são responsáveis por estimular a economia e contribuem decisivamente para a coesão e a competitividade da região”.

Ana Abrunhosa, presidente da Comissão de Coordenação do Centro, refere que a compreensão do dinamismo e o sucesso destas empresa “é uma prioridade para a região Centro e um importante indicador para as políticas públicas”. A responsável sublinha, inclusivamente: “são exemplos destes que procuramos e queremos multiplicar, numa região em que parte da sua riqueza reside na diversidade. No sector empresarial regional, a diversidade é notória quer em termos de actividades económicas, das mais tradicionais às mais inovadoras, quer na dimensão das suas empresas”, notando que “a resiliência e a capacidade empreendedora dos empresários merece distinção”.

O estudo realizado pela CCDRC, pelo sétimo ano consecutivo, assinala um aumento de 16 por cento face a 2017. Além disso, as gazela representam um “elevado potencial para gerar novos de postos de trabalho, tendo triplicado as pessoas ao serviço entre 2014 e 2017, passando de 967 trabalhadores para 3 063 trabalhadores”, realça o estudo.

Também em relação ao volume de negócios se verificou um aumento bastante significativo, entre 2014 e 2017, de 388 por cento, comprovando que “mesmo em anos de maiores constrangimentos estas empresas conseguem continuar a expandir as suas actividades, pois facturaram 66 milhões de euros em 2014 e 324 milhões de euros em 2017”, nota a CCDRC.

Outra das conclusões prende-se com cerca de metade (47 por cento do total) das 95 empresas gazela apresentavam valores de exportações, num total que ascende aos 83 milhões de euros, “o que representa, em termos médios, 26 por cento do volume de negócios”.

Um quarto das 95 entidades desenvolve as suas actividades nas indústrias transformadoras e, em conjunto com as actividades da construção (19 por cento) e do comércio (17 por cento) representam 61 por cento das empresas gazela da região; já quanto à distribuição geográfica estão bastante disseminadas pelo território, repartindo-se por 41 municípios do Centro, sendo os concelhos de Coimbra e Leiria os que têm um maior número, com oito cada, seguidos por Aveiro (sete), Torres Vedras e Viseu (com cinco, cada).

Com três empresas gazela, encontram-se sete municípios: Alcobaça, Alenquer, Arruda dos Vinhos, Caldas da Rainha, Estarreja, Ílhavo e Mangualde.

No final de 2018, 61 por cento das empresas gazela que se candidataram aos Sistemas de Incentivos do Portugal 2020 estão já a ser apoiadas, num total de 32 projectos (27 dos quais no Centro 2020), que representam 17 milhões de euros de investimento e oito milhões de euros de incentivo.

O reconhecimento a estas empresas e aos seus empresários vai realizar-se, na próxima terça-feira (30), na habitual gala anual, que este ano decorre em Leiria.