Coimbra  7 de Agosto de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Reedição da obra “Manuel Fernandes Tomás” na Figueira da Foz

2 de Agosto 2020 Jornal Campeão: Reedição da obra “Manuel Fernandes Tomás” na Figueira da Foz

A obra “Manuel Fernandes Tomás. Ensaio Histórico-Biográfico”, da autoria de José Luís Cardoso, foi apresentada na sexta-feira (31), dia em que comemorava 249 anos, na Casa do Paço, na Figueira da Foz.

Nuno Gonçalves, vereador da Cultura, referiu que cumpre aos poderes públicos, naquele caso concreto, ao Município da Figueira da Foz, “comemorar o bicentenário da Revolução Liberal de 1820”, onde Manuel Fernandes Tomás teve um papel fundamental.

O autarca referiu, ainda, a intenção da autarquia de estimular o conhecimento acerca de Manuel Fernandes Tomás nas escolas, de forma a “educar cidadãos mais completos, com consciência de cidadania, com competências sociais políticas e com respeito pelos direitos fundamentais”.

Por sua vez, a representante da Editora Grupo Almedina, Sara Gomes, ressalvou o sentimento de “papel cumprido” com a reedição do livro, “uma vez que se trata de uma figura ímpar da nossa história”, acrescentou.

Já o escritor figueirense António Tavares, a quem coube a apresentação da obra, referiu que se trata de um livro com um “contributo para a nossa memória”, acerca de alguém que deixou uma marca física indelével.

António Tavares realçou, ainda, o mérito do autor José Luís Cardoso, nesta reedição. “Tem, entre outros, o mérito de não aceitar algumas evidências, nem ideias. Procura justamente contrariar premissas de aceitação incondicional, sempre com a sua dúvida de investigador, de forma a justificar a vénia que se fez e faz a Manuel Fernandes Tomás”.

Para o autor José Luís Cardoso, investigador coordenador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e sócio efectivo da Academia das Ciências de Lisboa, com vasta obra publicada internacionalmente sobre temas de história do pensamento económico português em perspectiva comparada, agradeceu a todas as pessoas e entidades que contribuíram para que esta reedição se tivesse tornado possível, não ignorando a dificuldade de reescrever um livro que foi escrito há 38 anos.

O autor acrescentou, também, que procura agora justamente “actualizar a discussão histórica de Manuel Fernandes Tomás” e informou todos os presentes na apresentação de que, dentro do período um mês, será lançada uma colectânea dos manuscritos de Manuel Fernandes Tomás.

“Trata-se de algo relativamente desconhecido, que engloba discursos parlamentares e toda a sua obra política”, afirmou.