Coimbra  20 de Novembro de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Realidade virtual ajuda ao envelhecimento activo de idosos

24 de Outubro 2019

Um projecto pioneiro em Portugal, que visa o envelhecimento activo de idosos de seis municípios da região Centro, através da inovação tecnológica com componentes de realidade virtual, foi hoje apresentado em Montemor-o-Velho.

Na demonstração hoje realizada do projecto VirtuALL, coordenado pela Associação de Desenvolvimento Local da Bairrada e Mondego (ADELO), o salão nobre do Município de Montemor-o-Velho ‘transformou-se’, através da realidade virtual, numa campanha das vindimas. E uma idosa cumpriu, ao longo de dois minutos, um exercício físico no qual tinha como objectivo colher o maior número de cachos de uvas e, com estas, produzir vinho.

“A dona Manuela conseguiu produzir 12,6 litros de vinho e para a próxima o objectivo será produzir 20 litros”, anunciou, no final do exercício e perante cerca de uma centena de idosos que apoiavam e aplaudiam, uma das técnicas responsáveis pelo VirtuALL. “E beber uma pinga”, respondeu, com uma gargalhada, a participante.

Antes, Emílio Torrão, presidente da Câmara de Montemor-o-Velho, tinha afirmado, na sessão de apresentação, que o projecto pretende “desassossegar” cerca de um milhar de idosos daquele concelho do Baixo Mondego.

“Vai fazer-vos rir, brincar e fazer exercício, também com fins terapêuticos, porque [com a idade] vão perdendo actividade e faculdades [físicas e mentais], e a virtude destes exercícios é a de que não há desculpas [para não os fazer]”, observou o autarca.

À margem da sessão, Emílio Torrão adiantou que o VirtuALL “é uma novidade nacional, muito disruptiva”. “Visa animar esta população sénior, mas estará aberta também a pessoas com problemas graves do foro mental que necessitem e careçam de estimulação sensorial e que este tipo de equipamentos pode proporcionar”, argumentou.

“Isto é pura inovação social”, complementou Emílio Torrão, frisando que o VirtuALL baseia-se numa corrente “que estuda em profundidade a realidade da área das demências no norte da Europa e é prática corrente em países como a Noruega, Suécia ou Finlândia para, através da estimulação sensorial e dinamização de exercício físico, proporcionar qualidade de vida à população mais idosa”.

Embora o projecto promovido pela ADELO tenha, para já, um horizonte de funcionamento de dois anos em seis municípios da sua área de actuação (Figueira da Foz, Cantanhede, Mira, Mealhada, Montemor-o-Velho e Penacova, que se assumem como investidores sociais), a intenção de Emílio Torrão é “perpetuá-lo” para o futuro e complementá-lo com iniciativas próprias.

Para tal, Montemor-o-Velho tem em estudo a possível criação de um espaço baseado em óculos de realidade virtual “que é novidade mundial no Japão, dirigido aos jovens e que proporciona exercícios virtuais absolutamente incríveis”, mas que Emílio Torrão quer direccionar aos idosos para complementar o VirtuALL.

No projecto em estudo, revelou, os participantes “podem visualizar imagens amigas, como os filhos, a família ou o que quiserem e através delas ajudar à recuperação da memória”.

Já António Santos, director executivo da ADELO, explicou que o VirtuALL engloba um conjunto de equipamentos portáteis – desenvolvidos em parceria com o Instituto Superior Técnico e ainda em versão de protótipo -, que integram tecnologia já existente, nomeadamente em consolas de jogos, mas, neste caso, aplicada às necessidades efetivas da população sénior.

“Há uma plataforma que permite avaliar o equilíbrio, em que são propostos exercícios que depois resultam na demonstração da capacidade de equilíbrio frontal, posterior e lateral de cada um. E uma balança que dá um conjunto de indicadores sobre a situação física da pessoa, como a massa corporal, índice de água e metabolismo”, indicou.

Outro equipamento, como o utilizado hoje na demonstração virtual da campanha das vindimas, permite realizar exercícios com carácter lúdico, que “levam a que a pessoa se mexa e que, para além de se mexer, tenha uma actividade cognitiva”, frisou António Santos.

“Os exercícios têm níveis de complexidade diferenciados e a possibilidade de serem executados por pessoas com mobilidade reduzida”, acrescentou.

“Há portas abertas aqui para que a inclusão de facto seja uma realidade junto dos idosos, mas sempre com a preocupação que a qualidade de vida, a prevenção da doença e promoção da saúde estejam na base de todo este trabalho”, enfatizou o director executivo da ADELO.

O projecto apresentado, orçado na globalidade em 400 000 euros financiados em larga maioria pelo programa Portugal Inovação Social, será realizado nos seis municípios participantes por uma equipa de três técnicas especialistas em psicologia, fisioterapia e geografia humana.

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com