Coimbra  23 de Janeiro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Quercus recorda que em 2018 tinha antecipado cheias no Baixo Mondego

23 de Dezembro 2019

A associação ambientalista Quercus relembrou, hoje, que já em 2018 tinha antecipado um cenário de cheias no Baixo Mondego decorrente da deposição de inertes após as obras de desassoreamento da albufeira do Açude-Ponte, em Coimbra.

“A Quercus relembra que esta era um cenário que antecipámos. Lamentavelmente, os alertas de nada serviram e centenas de pessoas veem as suas casas em risco”, referiu aquela associação.

No documento enviado à agência Lusa, a Quercus anexa um comunicado divulgado em 25 de Julho de 2018, com o título “Construção de aterro do rio Mondego é um absurdo – Quercus alerta para o risco de cheias no baixo Mondego”.

Nesse comunicado, a associação dizia que “o gigantesco aterro que está a ser efectuado no rio Mondego vai provocar graves problemas em termos de retorno das cheias e assoreamento do rio, com prejuízos para todo o vale do Mondego a jusante de Coimbra, nomeadamente para a produção agrícola e nas localidades ribeirinhas”.

A Quercus acrescentava, ainda, que a delegação do Centro da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) não permitiu a consulta da documentação do processo e que por isso pediu, na altura, o “esclarecimento público e a responsabilização pelos prejuízos decorrentes deste projecto”.

“O projecto previa dragar o rio Mondego, com três localizações possíveis para a deposição temporária dos inertes dragados em cerca de 50 hectares, junto da cidade de Coimbra. No entanto, também prévia que os inertes excedentários fossem depositados no leito do rio a jusante do Açude-Ponte, apesar de existirem estudos que referem que este troço do Mondego está também assoreado. Deste modo, a decisão da APA – Agência Portuguesa do Ambiente – de permitir a deposição dos inertes no leito do rio no baixo Mondego foi incompreensível”, dizia ainda o comunicado de 2018.

Os impactes sobre a fauna fluvial e nomeadamente sobre os peixes migradores, de que são exemplo o sável, a lampreia-marinha ou a enguia-europeia, não foram devidamente acautelados, também questionou na altura a Quercus.

Apesar de tudo, o comunicado garantia que o “’Desassoreamento da Albufeira do Açude-Ponte em Coimbra’ promovido pela APA e Câmara Municipal de Coimbra é necessário, devido à má gestão da bacia hidrográfica do rio Mondego e tem como objectivo principal reduzir o risco de cheias na cidade de Coimbra”.

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com