Coimbra  14 de Maio de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

PSP identifica suspeitos por pesca ilegal da lampreia no rio Mondego

30 de Março 2021 Jornal Campeão: PSP identifica suspeitos por pesca ilegal da lampreia no rio Mondego

A PSP de Coimbra, no seguimento de diversas acções de fiscalização à pesca ilegal de lampreia no Rio Mondego, entre os dias 16 e 25 de Março, já identificou vários suspeitos dessa prática e apreendeu diversos utensílios ali deixados usados naquele acto.

Assim, nesta terça-feira (30), pelas 00h40, foi novamente detectado esse ilícito e identificado um suspeito junto à Ponte Açude do Rio Mondego, tendo sido encontradas 30 lampreias, que se encontravam no interior de um saco de rede, ainda com sinais de vida, que foram restituídas ao rio para seguirem a sua migração.

Foi também ali encontrado e apreendido um fato de mergulho e um utensílio, vulgo camaroeiro, destinados à pesca ilegal daquela espécie.

A PSP informou que a  prática desta actividade é ilegal e, quando efectuada com recurso a fatos de mergulho, constitui crime punível com pena de prisão conforme legislação em vigor.

Ainda hoje (30), pelas ‘02h20, na Rua do Grupo Recreativo Vilaverdense, na Figueira da Foz, foi detido um homem, de 57 anos, por condução sob o efeito do álcool. Sujeito ao teste acusou uma TAS de 2,13g/l.

Já em Coimbra e pelas 05h00, na Estrada das Lágrimas, a PSP deteve um jovem de 19 anos, por conduzir um automóvel sem habilitação legal para o efeito.

Também na passada segunda-feira (29), pelas 19h50, a PSP de Coimbra deteve uma mulher de 20 anos pela posse de cocaína, na zona do Vale das Flores.

A suspeita tinha na sua posse um produto que, após análise, deu positivo para cocaína num total de 18 doses individuais.

Foram também identificados três homens, que se encontravam com a detida, com idades compreendidas entre os 17 e os 24 anos, tendo sido apreendido a um deles uma determinada quantia monetária, por o mesmo não justificar a sua proveniência.

A detida foi presente a autoridade judicial competente, desconhecendo-se até ao momento as medidas de coacção aplicadas.