Coimbra  1 de Março de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

PSD/Coimbra diz que decisão de chumbar Nuno Freitas é “errada e desrespeitadora”

22 de Fevereiro 2021 Jornal Campeão: PSD/Coimbra diz que decisão de chumbar Nuno Freitas é “errada e desrespeitadora”

O PSD de Coimbra considerou a decisão da Direcção Nacional do partido de chumbar o nome do médico Nuno Freitas como candidato à Câmara de “profundamente errada e desrespeitadora dos estatutos”.

Em comunicado, divulgado domingo, a Comissão Política Concelhia do PSD de Coimbra reagiu à não homologação do candidato proposto para tentar retirar a Câmara ao PS nas próximas eleições, enfatizando fazer um ano que os militantes social-democratas locais aprovaram, por unanimidade, o documento estratégico autárquico.

Numa publicação na sexta-feira na sua conta no Facebook, Nuno Freitas escreveu: “Fui informado pela Direcção Nacional que o PSD decidiu não apoiar a decisão do PSD de Coimbra, dos órgãos concelhios e distritais, e não homologar o meu nome como eventual candidato às próximas eleições autárquicas e que vai apoiar o professor José Manuel Silva”.

No domingo, o PSD de Coimbra deu conta que o coordenador autárquico nacional, José Silvano, “informou que o nome escolhido pelos órgãos locais do PSD de Coimbra para encabeçar a candidatura do partido às próximas eleições autárquicas no concelho, o militante, médico e empresário Nuno Freitas, não será homologado pela Comissão Política Nacional do PSD”.

Sobre esta decisão que entende “ser profundamente errada e desrespeitadora dos estatutos, das decisões e vontade dos órgãos locais, e mais importante, de todos os que na sociedade civil de Coimbra vinham ajudando a construir uma alternativa credível ao PS”, a Concelhia do PSD “vem publicamente pedir desculpa”.

“Ao Dr. Nuno Freitas o nosso agradecimento pelo empenho e entusiasmo para liderar um projecto político alternativo, que muitos acreditam como imperioso para o futuro do concelho e região em que estamos inseridos”, lê-se ainda no comunicado.

Insistindo tratar-se de uma “decisão unilateral e prepotente” garantem que o PSD de Coimbra “continuará unido e tudo fará para criar as condições necessárias e ser a única e verdadeira alternativa ao Partido Socialista”.

O deputado António Maló de Abreu foi apontado “entre aqueles” que “tentaram por diversas vezes e, até publicamente, ao longo dos últimos meses, criar a desunião e a intriga junto das bases do PSD local, numa tentativa clara de oportunismo político e tentando ultrapassar as competências estatutárias do PSD”, situação que disseram “repudiar totalmente”.

Neste cenário, manifestaram vontade para “agendar uma Assembleia Concelhia para ouvir, debater e apoiar esta nova estratégia autárquica do PSD” e asseguraram que “sem guerrilhas internas” demonstrarão ser “credores da confiança” e “colocando Coimbra em primeiro lugar”.

A Lusa tentou obter uma reacção do deputado eleito pelo círculo de Coimbra, que se escusou a fazê-lo.