Coimbra  6 de Julho de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

PSD: Mota Pinto demarca-se de Passos Coelho

17 de Janeiro 2017 Jornal Campeão: PSD: Mota Pinto demarca-se de Passos Coelho

Paulo Mota Pinto, ex-dirigente nacional do PSD, lamentou, hoje, a posição divergente do seu partido face ao recente acordo de concertação social.

Professor da Faculdade de Direito de Coimbra e ex-juiz do Tribunal Constitucional, o jurista opinou que aquela posição representa uma afronta à matriz ideológica originária dos social-democratas.

Em declarações à Agência Lusa, o antigo deputado à Assembleia da República criticou a oposição manifestada pela direcção liderada por Pedro Passos Coelho ao acordo de concertação social, designadamente em matéria de redução da TSU (menos 1,25 por cento da taxa, a pagar pelas entidades patronais, inerente à actualização do salário mínimo).

“A posição declarada pelo PSD sobre o acordo na concertação social é lamentável, porque contraria posições políticas e propostas assumidas pelo partido, há anos, sobre medidas no essencial semelhantes”, afirmou Paulo Mota Pinto, vincando estar em causa “um princípio de coerência”.

Para aquele membro da antiga direcção social-democrata liderada por Manuela Ferreira Leite, a posição agora assumida pelo PSD traduz renúncia ao centro político, “permitindo a sua captura” pelo PS.

“Portugal precisa de um PSD forte e social-democrata, que seja intérprete leal do bem comum”, concluiu Paulo Mota Pinto.