Coimbra  17 de Janeiro de 2021 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

PSD critica voto de PS e BE contra a deslocalização do Estabelecimento Prisional

26 de Novembro 2020 Jornal Campeão: PSD critica voto de PS e BE contra a deslocalização do Estabelecimento Prisional

A Comissão Política Distrital do PSD de Coimbra considera que “mais uma vez, para o PS e para o BE, as questões prioritárias para Coimbra podem ficar para segundo plano”, dando como exemplo a não aprovação da sua proposta para deslocalizar o Estabelecimento Prisional de Coimbra.

“Os deputados do PSD eleitos pelo círculo de Coimbra propuseram a inclusão da deslocalização do Estabelecimento Prisional de Coimbra, para o local previsto no Plano Director Municipal de Coimbra, na União das Freguesias de Lamarosa e São Martinho da Árvore”, contudo, refere Paulo Leitão, presidente da Distrital do PSD e deputado na Assembleia da República, “a proposta não foi aprovada, dado que tanto o PS como o BE votaram contra e tanto o PCP como o PAN optaram pela abstenção. A favor votaram apenas PSD, CDS-PP, IL e CH”.

O PSD acusa, por isso, o PS e o BE de não darem darem prioridade às questões prementes da cidade, e vai mais longe dizendo que “no que se refere ao PS, a postura esquizofrénica dos representantes do partido já se tornou um ‘habitué’ – defendem uma coisa a nível local e exactamente o oposto ao nível nacional. Mas, no que concerne ao BE trata-se de uma novidade”.

Assim, realça, “perante a posição adoptada tanto pelo PS como pelo BE, ficou claro que valores humanitários – como a garantia das mais básicas das condições de vida aos presidiários e a reabilitação do centros históricos e do património cultural, que a deslocalização de Estabelecimento Prisional iria permitir, apenas servem para adornar discursos”.

Ao dizer que “caiu a máscara” a PS e BE, os deputados do PSD esperam que os dois partidos de esquerda “deixem de enganar os conimbricenses e que tenham o mínimo de decoro, não apresentando propostas nos programas eleitorais autárquicos, que recusaram na Assembleia da República”.

Recorda-se que o Estabelecimento Prisional de Coimbra, cuja construção remonta o século XIX, “se encontra em elevado estado de degradação, padecendo de deficiências ao nível da construção civil, das instalações eléctricas e das infraestruturas, bem como de deficiências graves ao nível das instalações mecânicas, como, de resto, se encontra reconhecido no Relatório sobre o Sistema Prisional e Tutelar, publicado em Setembro de 2017”, nota Paulo Leitão, sublinhando que “a sua deslocalização, para além de permitir a melhoria das instalações, também permitiria requalificar o espaço central da cidade que actualmente é ocupado pelo mesmo, junto à área classificada como Património da Humanidade, concretizando assim uma velha aspiração de Coimbra”.