Coimbra  17 de Agosto de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

PS/Coimbra comete argolada para atacar vereador

21 de Junho 2018

O PS/Coimbra, liderado por Carlos Cidade, cometeu, anteontem (19), uma argolada para atacar o vereador José Manuel Silva (eleito por um movimento cívico), constata o “Campeão”.

Pela pena de David Ferreira da Silva, sob o título “Para José Manuel Silva, a torre da Universidade [de Coimbra] mudava para Monte Real”, o Partido Socialista enxovalha o autarca independente e anterior bastonário da Ordem dos Médicos com base num falso pressuposto.

Segundo o Secretariado da Comissão Política Concelhia (CPC) conimbricense do PS, o vereador de “Somos Coimbra” abandonou, segunda-feira (18), a mais recente reunião da Câmara local para ir a uma “sessão promotora da ideia do aeroporto aberto à aviação civil em… Monte Real” (Leiria). Acontece, porém, que José Manuel Silva saiu da referida reunião camarária para intervir numa sessão na Ordem dos Médicos, de que foi bastonário, e só à noite se deslocou a Leiria.

“Regionalização ou descentralização da Saúde?” é o lema da Ordem dos Médicos para um ciclo de debates que, a 18 de Junho, proporcionou uma sessão em Coimbra.

Além do presidente da Secção Regional do Centro da OM, Carlos Cortes, foram intervenientes o bastonário, Miguel Guimarães, o respectivo antecessor, José Manuel Silva, o ex-secretário de Estado Manuel Pizarro, Graciela Simões e Francisco Amaral.

À excepção de Miguel Guimarães e Carlos Cortes, os demais intervenientes têm em comum a circunstância de serem médicos e autarcas. José Manuel Silva é vereador do Município de Coimbra (eleito por um movimento cívico), Manuel Pizarro (PS) é vereador portuense, Graciela Simões (CDU) é membro da Assembleia Municipal de Lisboa e Francisco Amaral (PSD) preside à Câmara de Castro Marim.

Intitulado “Para José Manuel Silva, a torre da UC mudava para Monte Real”, um comunicado daquela estrutura partidária é sarcástico para com o vereador e líder de “Somos Coimbra”.

Da narrativa do Secretariado da Comissão Concelhia conimbricense do PS consta que, por ocasião da mais recente reunião da Câmara Municipal de Coimbra, José Manuel Silva “abandonou a sala, alegando ter um compromisso que o impedia de continuar a representar os cidadãos que o elegeram”.

“Qual não é o nosso espanto”, prossegue aquela estrutura partidária, “quando o ex-bastonário da Ordem dos Médicos aparece, publicamente, numa sessão promotora da ideia do aeroporto aberto à aviação civil em… Monte Real” (Leiria).

Para dar condimento à narrativa, num registo pautado pela indelicadeza, David Ferreira da Silva refere-se a “Somos Coimbra” como o “tal movimento”, omitindo, porém, tratar-se daquele que, recentemente, reclamou a demissão de Manuel Machado e de Carlos Cidade da vereação do Município conimbricense, acusando o prefeito de “falsificação consciente de uma votação”.

Ferreira da Silva continua: “ficamos, desde logo, na dúvida, se José Manuel Silva assinou a sua «passagem» pela reunião de executivo [camarário] e irá receber o valor da senha de presença, que certamente lhe compensará as despesas de viagem e alimentação, ou se já recebe como vereador de ‘Monte Real’”.

Pondo de lado os “pormaiores” (sic), Ferreira da Silva faz chacota com “o espírito de transparência bacoca do representante do movimento”. Para o dirigente partidário, “José Manuel Silva foi defender o aeroporto de Monte Real, ao invés de defender a solução aeroportuária no Município de Coimbra”.

O “braço direito” partidário de Carlos Cidade diz entender que “o interesse do ‘vereador de Monte Real’” consista em “dar mais força à candidatura de Leiria a Capital Europeia da Cultura / 2027”. “Entendemos, todos, que José Manuel Silva possa ter um problema de orientação, por ter passado tanto tempo fora de Coimbra e da defesa dos seus interesses, mas qual D. Sebastião regressou!”, indica um comunicado divulgado, anteontem, pelo Secretariado da Comissão Concelhia conimbricense do PS.

“Contudo, o nevoeiro deve tê-lo desviado para os lados do [rio] Liz”, opina David. E prossegue: “entendemos, todos, que José Manuel (…) se queira juntar a Pedro Santana Lopes, num fórum sobre o aeroporto e sobre uma visão estratégica para a Zona Centro, porque ambos são, claramente, gladiadores dos interesses dos habitantes do distrito de Coimbra, mas, acima de tudo serve, para que (…) Silva pisque o olho a alguns sectores do PSD de Coimbra”.

Para o PS/Coimbra, José Manuel está “mais preocupado em denegrir a imagem” da cidade “do que com o desenvolvimento e sucessos [dela] e prefere, por isso, abandonar uma reunião do seu Município para defender as soluções de outros concelhos”.

David Ferreira da Silva diz saber que “Monte Real não irá, a médio prazo, por razões geoestratégicas, passar para aviação civil”. “Sabemos que querem Monte Real quem quer aproximar Leiria a Lisboa e Aveiro ao Porto, tentando isolar Coimbra e demovendo os outros investimentos estruturais da região (IP3, Sistema de Mobilidade do Mondego – Metrobus, Linha da Beira Alta, reabilitação da estação de Coimbra-B, entre outros)”, acrescenta.

Segundo o Secretariado da Comissão Concelhia do PS/Coimbra, “José Manuel Silva foi defender o aeroporto de Monte Real ao invés do aeroporto em Coimbra, porque convém aos seus interesses políticos pessoais, a médio prazo”.

“Para derrotar o PS”, conclui David Ferreira da Silva, “José Manuel Silva até levava a torre da Universidade para Monte Real, o que vale é que nós por cá não deixamos”!

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com