Coimbra  25 de Abril de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

PS desafia Câmara de Coimbra a discutir com população destino do antigo Pediátrico

2 de Abril 2024 Jornal Campeão: PS desafia Câmara de Coimbra a discutir com população destino do antigo Pediátrico

O vereador do PS José Dias desafiou a Câmara de Coimbra a abrir à discussão com a população o destino a dar ao antigo Hospital Pediátrico, no qual o Executivo quer instalar o Centro Transdisciplinar de Apoio à Criação Artística (CTAC).

O Executivo municipal, reunido esta segunda-feiea, analisou a proposta de comunicação prévia para a transferência da gestão do Estado para a Câmara de Coimbra dos imóveis que compõem o antigo Pediátrico, num projecto em que a Câmara pretende instalar o CTAC – Casa das Comunidades.

A autarquia pretende que o CTAC possa ter condições para desenvolvimento de projectos diversos em áreas como as artes plásticas, artes gráficas, tecnologia, música, teatro ou dança, assegurando salas de ensaio, sala de exposições, espaço para residências artísticas e estúdios.

A proposta, que contou com a abstenção dos quatro vereadores do PS, é “pouco estruturada”, apesar de ter já previsto um investimento “enorme”, criticou o vereador socialista José Dias, apontando para o documento que sustenta o projecto de valorização do antigo Pediátrico, em que a Câmara prevê um investimento global na ordem dos 23 milhões de euros.

“Há um sério risco de transformar isto num problema para o futuro”, apontou, considerando que o projecto tem poucos dados associados e o investimento “não se encontra detalhado”.

Para José Dias, o Executivo não pode “continuar a arrancar com projectos e, depois, só numa fase posterior, os concretizar”.

“Não existindo um projecto, questiono se foram equacionadas outras possibilidades para aquele espaço?”, perguntou o vereador socialista, desafiando a Câmara de Coimbra a abrir à participação da população o destino a dar ao antigo Hospital Pediátrico.

Segundo José Dias, o projecto para aquele imóvel, com uma área de 18 mil metros quadrados, deveria ser “pensado numa perspectiva de política participativa”.

Na resposta, o presidente da Câmara, José Manuel Silva, eleito pela coligação Juntos Somos Coimbra, afirmou que o Executivo tem tido “uma pressão persistente de múltiplas associações que precisam dos seus espaços e para os quais a Câmara não consegue dar resposta”, salientando ainda a importância de espaços para acolher residências artísticas no concelho.

José Manuel Silva esclareceu que os cálculos para o investimento previsto foram feitos “por grosso”, referindo que o que foi discutido foi um “esqueleto de projecto” para valorização daquele espaço.

Durante a sua intervenção, o autarca recusou a ideia de aproveitar aquele espaço para uma estrutura destinada ao envelhecimento activo, considerando que a localização ideal para tal seria junto ao Hospital dos Covões.