Coimbra  17 de Abril de 2024 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Projecto defende Áreas de Acolhimento Agrícola para protecção contra incêndios

14 de Julho 2023 Jornal Campeão: Projecto defende Áreas de Acolhimento Agrícola para protecção contra incêndios

Um modelo de política territorial baseado na criação de Áreas de Acolhimento Agrícola nas zonas periféricas dos aglomerados habitacionais e industriais, para protecção contra incêndios, é defendido no projecto WinBio, liderado pelo centro de inovação BLC3.

De acordo com o WinBio – que é liderado pela associação BLC3, de Oliveira do Hospital, em parceria com mais cinco entidades de regiões interiores e rurais – essas Áreas de Acolhimento Agrícola funcionariam “como um anel tampão (protecção) entre as florestas produtivas incluindo os matos e incultos) e os aglomerados habitacionais e zonas industriais”.

“Temos muitos problemas associados à valorização da terra e que originam uma perda da atividade económica, tornando-nos cada vez mais vulneráveis aos incêndios”, lembrou o presidente da BLC3 – Campus de Tecnologia e Inovação, João Nunes.

No seu entender, há também “uma sociedade cada vez mais com menos vontade de trabalhar na terra, fazer calos e com uma vontade imaginária de que a terra pode dar rendimento sem trabalho, dedicação, conhecimento e tecnologia”.

“Temos de tornar a agricultura mais competitiva, pois não faz sentido que a maior parte do ano o tractor e as alfaias agrícolas estejam parados e sem uso e que existam pessoas que querem investir na agricultura e não têm acesso à terra”, considerou.

Neste âmbito, João Nunes defendeu que são necessários “modelos partilhados” e “comunidades para acelerar o crescimento agrícola profissional e com escala de solo viável”.

O responsável afirmou que é preciso “fazer crescer mais a actividade económica agrícola, em benefício de uma bioeconomia e de um país cada vez menos dependente dos mercados externos e mais preparado e protegido contra os grandes incêndios que atingem habitações e edifícios industriais”.

Se o incêndio da Serra da Estrela “representou uma área ardida de 24 mil hectares em 11 dias”, o incêndio que, em 2017, afectou Oliveira do Hospital consumiu “uma área similar, de 22,6 mil hectares, em seis horas”, só neste concelho do distrito de Coimbra.

“São realidades muito diferentes e sem comparação em termos de comportamento de incêndio”, disse João Nunes, alertando que “é urgente preparar, a curto prazo, a capacidade de protecção das habitações, indústrias e pessoas contra incêndios” como os ocorridos em 2017.

O projecto defende que, tal como no passado se criaram zonas industriais, que modificaram a lógica urbanística e criaram “outras condições para fixar e localizar de forma correcta as indústrias”, o mesmo é possível fazer no sector agrícola, “com grandes vantagens económicas e de protecção e resiliência dos edifícios aos incêndios”.

“As Áreas de Acolhimento Agrícola seriam infra-estruturas de lotes, com estruturas e meios centrais de uso partilhado e apoio técnico ao agricultor”, explicou.

Desta forma, seria permitido “o acesso à terra para quem quer investir, diminuindo o investimento na aquisição da terra, e que cada lote tenha o mínimo de área viável ao desenvolvimento da actividade agrícola (devido ao problema do minifúndio), acesso a equipamentos e alfaias agrícolas, sistemas de rega mais eficientes e outros serviços de suporte e de comunidade”.

Em termos urbanísticos, “seriam dois anéis para culturas anuais e permanentes”, sendo o primeiro (o mais próximo da zona habitacional) “de culturas anuais, para permitir, sempre que necessário, a expansão de edificados”, e o segundo de culturas permanentes.

Neste projecto, a BLC3 tem parceria com a Associação Centro de Apoio Tecnológico Agro-Alimentar, o Collaborative Laboratory Towards Circular Economy, o Centro de Biotecnologia Agrícola e Agro-Alimentar do Alentejo, o Food4Sustainability CoLAB e o TagusValley Parque de Ciência e Tecnologia e o apoio do Programa Operacional Competitividade e Internacionalização (COMPETE2020).