Coimbra  30 de Novembro de 2020 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Projecto de prevenção do insucesso escolar na Figueira da Foz tem bons resultados

22 de Outubro 2020 Jornal Campeão: Projecto de prevenção do insucesso escolar na Figueira da Foz tem bons resultados

O projeto de prevenção do insucesso escolar desenvolvido nos últimos dois anos lectivos pela Associação de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (APPACDM) da Figueira da Foz e promovido pela autarquia, teve esta terça-feira, os resultados apresentados, no Auditório João César Monteiro, no CAE e, segundo os promotores, está a obter resultados positivos.

A acção, que visa diagnosticar as aptidões das crianças face às aprendizagens ainda em fase pré-escolar e tem como universo os Agrupamentos Figueira Mar, Figueira Norte, Paião e Zona Urbana contou, no ano lectivo de 2019/2020 com 215 crianças matriculadas, das quais 169 deram consentimento para a avaliação, mais 14,4 por cento face ao ano lectivo anterior.

Das 169 crianças, três não compareceram na avaliação por motivo de doença, o que reduziu o número para um universo de 166 crianças. Os resultados mostram que, das crianças avaliadas, 59 foram sinalizadas, 28 foram submetidas a avaliação suplementar e 31 foram para ‘follow-up’ de forma a serem monitorizadas.

O projecto avalia o desenvolvimento evolutivo das crianças no que diz respeito aos desenvolvimentos verbal, quantitativo, orientação especial, memória auditiva, visomotricidade, memória visual, aptidão global e maturidade leitura/escrita, de forma aos sinais percursores precipitantes do insucesso escolar serem conhecidos antes da entrada no 1.º ciclo, numa perspectiva de neurodesenvolvimento infantil e de contribuição para a planificação de programas compensatórios.

O vereador da educação, Nuno Gonçalves referiu que a renovação deste programa por mais um ano é a prova de que é uma “prática consolidada”, que visa encaminhar e fazer um acompanhamento para toda a rede pública, de forma a abranger todas as crianças, numa perspetiva de “igualdade e equidade”.

Por sua vez, António Padrão, presidente da APPACM, reforçou a importância de, depois da prevenção e intervenção, ser cruzada a informação. “É fundamental sabermos como estão as crianças no segundo ano do 1.º ciclo, de forma a conferirmos ou não credibilidade às avaliações feitas no período pré-escolar”.

Os resultados do projecto foram dados a conhecer pelas técnicas da APPACDM da Figueira da Foz, Dulce Helena e Sara Ferreira.